OBRAS DO SASI

OBRAS DO SASI
SASI

ESCOLA INTERATIVA

ESCOLA INTERATIVA
ESCOLA INTERATIVA

APRENDIZAGEM

APRENDIZAGEM
APOIO

AVALIAÇÃO

AVALIAÇÃO
AVALIAÇÃO

DIÁRIO DIGITAL

DIÁRIO DIGITAL
DIÁRIO DIGITAL

SASI

SASI
SASI

ENEM

ENEM
ENEM

CAMPANHA CONTRA O BULLYING

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

TEMPO: SENHOR DAS NOSSAS VIDAS - reflexão acerca da Canção Time de Pink Floyd! Não deixe de ver o Clip. É demais...




Como nosso Girassol tem a parte das Canções não podemos deixar de convidá-los a ouvir aqui um clássico da banda Pink Floyd: Time. Esta canção é mesmo demais. Quantas vezes ouvimos o Madinho cantá-la, e não entendíamos naquele tempo esta letra que é fascinante. Não percebemos a dimensão do tempo, que é o senhor das nossas vidas, esta que é apenas um piscar de olhos na imensidão do nosso infinito particular.  Quando percebemos mesmo,  tudo já está no fim, e não podemos voltar para refazer os gestos mal feitos.  Olhamos para trás e vemos tanto tempo jogado fora com nada, empreendendo buscas que não levam a lugar nenhum. Assistimos atônitos nossa geração passando outra juventude brotando e a gente insistindo nas efemeridades, naquilo que não nos realiza, muito pelo contrário nos infunde de uma falsa percepção de que podemos controlar o correr do tempo em nossas vidas. Vamos vivendo assim a angústia do dias na nossa pequenez humana, alienados em nós mesmos, como bem nos mostra o trecho da canção que diz “você corre atrás do sol,  mas ele está se pondo, fazendo a volta para nascer outra vez atrás de você”

Para fazer um pouco de intertextualidade com a canção apresento aqui o lindo poema de Mario Quintana que dispensa qualquer comentário, mas tem tudo haver com a canção.
“Seiscentos e Sessenta e Seis”
A vida é uns deveres que nós trouxemos para fazer em casa.
Quando se vê, já são 6 horas…
Quando se vê, já é 6ª-feira…
Quando se vê, passaram 60 anos…
Agora, é tarde demais para ser reprovado…
E se me dessem – um dia – uma outra oportunidade, eu nem olhava o relógio. seguia sempre, sempre em frente … E iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas.
Mario Quintana QUINTA, M. Poesia Completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar. 2005.
                                                                                                      por Deodato Gomes Costa
E você o que acha de tudo isto? Deixe um comentário em nosso box abaixo.

Nenhum comentário: