OBRAS DO SASI

OBRAS DO SASI
SASI

Natal

Natal
natal

ESCOLA INTERATIVA

ESCOLA INTERATIVA
ESCOLA INTERATIVA

APRENDIZAGEM

APRENDIZAGEM
APOIO

AVALIAÇÃO

AVALIAÇÃO
AVALIAÇÃO

DIÁRIO DIGITAL

DIÁRIO DIGITAL
DIÁRIO DIGITAL

ENEM

ENEM
ENEM

Inscrição

Inscrição
INSCRIÇÃO

CAMPANHA CONTRA O BULLYING

quinta-feira, 26 de março de 2015

É HOJE 26-03-15 E AMANHÃ DIA 27-03-2015 TEM CINEMA DA 9ª MOSTRA NA SALA DE CINEMA DA JOÃO BERALDO - Confira os filmes deste dois dias: Cabra Marcado para Morrer e Que Bom Te Ver Viva.

Venha debater conosco os Direitos Humanos a partir da temática dos filmes.
Cabra Marcado para Morrer
TÍTULO DO FILME: CABRA MARCADO PARA MORRER (Brasil, 1984) DIREÇÃO: Eduardo Coutinho 
ELENCO: Elisabeth Teixeira e família, João Virgínio da Silva e os habitantes de Galiléia (Pernambuco). Narração de Ferreira Gullar, Tite Lemos e Eduardo Coutinho. 120 min., Globo Vídeo. 
              
               Em fevereiro de 1964 inicia-se a produção de Cabra Marcado Para Morrer, que contaria a história política do líder da liga camponesa de Sapé (Paraíba), João Pedro Teixeira, assassinado em 1962. No entanto, com o golpe de 31 de março, as forças militares cercam a locação no engenho da Galiléia e Interrompem as filmagens. Dezessete anos depois, o diretor Eduardo Coutinho volta à região e reencontrava a viúva de João Pedro, Elisabeth Teixeira – que até então vivia na clandestinidade e muitos dos outros camponeses que haviam atuado no filme antes brutalmente interrompido. 
Que Bom Te Ver Viva
TÍTULO DO FILME: QUE BOM TE VER VIVA (Brasil, 1989) DIREÇÃO: Lucia Murat 
                      Duas décadas depois, oito ex-presas políticas falam sobre a luta e a tortura vividas durante o regime militar brasileiro e a experiência de ter sobrevivido. Entre os depoimentos, delírios e confissões de uma personagem anônima, que reflete sobre o peso de ter sobrevivido lúcida às torturas. Murat, que foi torturada no período da ditadura militar,narra a vida de algumas mulheres brasileiras que pegaram em armas contra o regime militar. Há uma série de depoimentos de guerrilheiras e cenas do cotidiano dessas mulheres que recuperaram, cada uma à sua própria maneira, os vários sentidos de viver.


Nenhum comentário: