OBRAS DO SASI

OBRAS DO SASI
SASI

Natal

Natal
natal

ESCOLA INTERATIVA

ESCOLA INTERATIVA
ESCOLA INTERATIVA

APRENDIZAGEM

APRENDIZAGEM
APOIO

AVALIAÇÃO

AVALIAÇÃO
AVALIAÇÃO

DIÁRIO DIGITAL

DIÁRIO DIGITAL
DIÁRIO DIGITAL

ENEM

ENEM
ENEM

Inscrição

Inscrição
INSCRIÇÃO

CAMPANHA CONTRA O BULLYING

sábado, 16 de maio de 2015

PROFESSORES TERÃO 31,7% EM 3 PARCELAS - Governo do Estado e trabalhadores da Educação assinam acordo histórico.Em evento no Palácio da Liberdade, governador ressalta a importância do diálogo e garante que resultado foi uma conquista de todos os mineiros

Professores estaduais de Minas Gerais terão aumento de 31,7% em 3 parcelas

Acordo entre governo de Minas e o sindicato prevê que a categoria passe a receber o piso nacional de R$ 1,9 mil a partir de agosto de 2017. Aposentados terão o mesmo aumento.

A coordenadora geral do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG), Beatriz Cerqueira, classificou o acordo firmado com o Governo do Estado nesta sexta-feira (15/5), no Palácio da Liberdade, em Belo Horizonte, como inédito. Segundo ela, foi dado o primeiro passo “para o início da recuperação da carreira dos professores”.
“A diferença é que nós tivemos um processo de negociação que, infelizmente, o choque de gestão do governo anterior não soube respeitar. Foram impostos à categoria projetos de lei e resoluções aprovados na Assembleia (Legislativa) que trouxeram muitos prejuízos”, afirmou a dirigente.
As negociações entre o Governo de Minas Gerais e a categoria iniciaram-se em janeiro, logo após o governador Fernando Pimentel assumir o cargo. No total, foram 12 reuniões entre representantes do governo do Estado e dos profissionais da Educação até fecharem um acordo, que foi aprovado em assembleia pela categoria, na última quinta-feira (14/5).

Entre os pontos destacados pela coordenadora do Sind-UTE como as maiores conquistas da categoria estão o fim do subsídio e o retorno do vencimento básico, retirado da categoria em 2011, a garantia de abonos e de reajustes anuais do piso, o mesmo tratamento aos aposentados e servidores ativos, a diferenciação de três níveis de escolaridade, entre outras. “Quando chegarmos em 2018, teremos quase 70% dos profissionais em situação melhor”, ressaltou.

“Os governos anteriores tiveram uma chance de valorizar a educação e cumprir aquilo que foi acordado. Mas os documentos foram descumpridos. Nosso sentimento é de conquista. Não de benesse. É um sentimento de que nós começamos a recuperar aquilo que perdemos. Fomos muito humilhados, muito maltratados, não existia mesa de negociação”, completou a sindicalista.
Beatriz Cerqueira ainda lembrou que, no passado, o único caminho encontrado foi a realização de greves. Em 2013, elas chegaram a durar 60 dias. “A gente poderia estar num patamar muito melhor. Estamos agora recuperando o que perdemos na última década”, disse.

A dirigente também lembrou que Minas Gerais está sendo pioneira em relação ao resto do país ao conseguir um acordo com os professores. “Se fizemos um balanço nacional, poucos tiveram o nível de conquista que nós tivemos, resultado de anos de luta”, completou. 

                                                                                   Estado de Minas - Sábado - 16 de Maio de 2015

Nenhum comentário: