OBRAS DO SASI

OBRAS DO SASI
SASI

Natal

Natal
natal

ESCOLA INTERATIVA

ESCOLA INTERATIVA
ESCOLA INTERATIVA

APRENDIZAGEM

APRENDIZAGEM
APOIO

AVALIAÇÃO

AVALIAÇÃO
AVALIAÇÃO

DIÁRIO DIGITAL

DIÁRIO DIGITAL
DIÁRIO DIGITAL

ENEM

ENEM
ENEM

Inscrição

Inscrição
INSCRIÇÃO

CAMPANHA CONTRA O BULLYING

domingo, 31 de janeiro de 2016

EM UMA PEQUENA CIDADE!...Encontre alegria em seu coração e faça disto sua fantasia de carnaval nesta semana!



Está chegando o Carnaval de 2016 em todo o Brasil, mas aqui em nossa cidade ele vem como possibilidade de silêncio, leitura, descanso e cama, porque como folia mesmo não vem já há muito tempo. O carnaval passa muito longe daqui da nossa pequena Carlos Chagas. Nem sabemos mais: existem foliões em nossa pequena cidade? Onde estão, para onde foram ou onde ficaram os foliões? Esquecidos em algum momento da nossa história? Enterrados no passado? Sim, porque não vemos nenhum sinal da Festa da carne por aqui. Durante a semana de entrudo, a proposito,  o carnaval foi introduzido no Brasil pelo portugueses no século XVI como entrudo,  a cidade fica completamente deserta, silenciosa e sombria. Enquanto alguns descansam em suas casas, outros vão buscar alegria nas praias próximas, ladrões aproveitam do relax dos moradores para arrombarem casas, alguns ainda vão à piscina e outros até acompanham o Carnaval do Brasil pela televisão. E aí sobra criatividade, seja nos sambas enredo, nos blocos de carnaval de rua ou em qualquer expressão carnavalesca deste nosso imenso pais. Penso que a maioria dos citadinos pulam o carnaval da TV mesmo.  Sem saudosismo piegas, o que muito ouvimos é que Carlos Chagas já viveu a sua era de ouro em tudo, inclusive no que diz respeito a festas, guardando as devidas proporções de cidade pequena que somos, com seus grandes carnavais. Se falam tanto de resgate, taí algo que poderia ser reinventado, o Carnaval e todas as outras festas da nossa cidade. Porque termina que quem sai mesmo da cidade é uma parcela muito pequena da população. Os que ficam aqui acabam convivendo apenas com o deserto silencioso de carnaval de uma cidade pequena. Tentativas já foram feitas e estavam no caminho certo, mas faltou a persistência, a insistência e a perseverança. As gerações atuais não sabem o que é Carnaval em uma cidade pequena, nem se aludem ao fato, porque isto não tem nenhuma referência na realidade histórica deles. Apenas ouvem dizer que já houve e que era muito intenso e interessante. E assim parece que áureos bailes nunca existiram na cidade sendo apenas fotografias esquecidas na memória daqueles que viveram a época de ouro.  Será que os cidadãos do passado sonhava mais coletivamente, viviam mais o espirito de comunidade do que os de hoje? Acompanhavam mais o bloco do compromisso comunitário? Será que eram mais alegres e gostavam mais de festa do que as pessoas de hoje. A festa, o celebrar juntos a alegria da vida sempre fez e fará parte do ser cultural de homens e mulheres porque a diversão, a farra, a folia e a arte tem o papel de sublimar dores e transportar o ser humano para outros universos e caminhos. Comunidade humana nenhuma pode viver sem suas festas, comemorações, solenidades. Seus encontros e seus grandes momentos coletivos de entusiasmo carnavalescos funcionam como refúgio em fantasias e sonhos que ajudam a enfrentar os desafios da vida. Os devaneios oníricos, o fantasioso, os momentos de delírio está impregnado no homem, é o seu refrigério e alivia a dureza da vida.  Uma comunidade que não canta a alegria, nem se alegra em suas celebrações e festas não é feliz, vive sempre na sombra da solidão dos seus dramas. Na verdade o carnaval é sempre um momento de brincadeiras onde qualquer um pode viver a fantasia que quiser frente a dureza da realidade. Quem reinventará a alegria do carnaval em Carlos Chagas? Quem levantará a cabeça dos citadinos, elevará sua autoestima e ajudará a voltá-los a fazer  acreditar sim que é possível fazer muitas festas e viver muitas folias em Carlos Chagas? As pessoas tem o direito de esquecer suas dores e viver suas fantasias pelo menos neste tempo de carnaval ainda que seja numa pequena cidade. O carnavalesco Sr. Norton talvez esteja se revirando no túmulo, afeito as folias como era e percebendo uma cidade onde suas novas gerações não sabe o que é a existência de carnaval em uma cidade pequena. Enquanto não acontece a alegria do carnaval aqui, convidamos a todos e cada um a encontrar em seu coração alguma coisa que te proporcionou alegria, um sonho que te entusiasmou, uma fantasia oculta em seu ser que te leva a outros mundos, coloque isto em evidência e viva este momento intensamente nesta semana, como sua inventividade de carnaval e pule, pule bastante, pelo menos em sua imaginação,  ao som de muitas marchinhas de protestos, porque a vida é movimento. 
                                                                                                  Por Deodato Gomes!



Um comentário:

Juelice costa disse...

Muito lindo! Para quem já viveu tantos carnavai em carluxa, é mto triste viver esse momento.