OBRAS DO SASI

OBRAS DO SASI
SASI

Natal

Natal
natal

ESCOLA INTERATIVA

ESCOLA INTERATIVA
ESCOLA INTERATIVA

APRENDIZAGEM

APRENDIZAGEM
APOIO

AVALIAÇÃO

AVALIAÇÃO
AVALIAÇÃO

DIÁRIO DIGITAL

DIÁRIO DIGITAL
DIÁRIO DIGITAL

ENEM

ENEM
ENEM

Inscrição

Inscrição
INSCRIÇÃO

CAMPANHA CONTRA O BULLYING

quarta-feira, 23 de março de 2016

A celebração da Páscoa na história de Israel. A celebração da Páscoa é uma tradição de mais de quatro mil anos. A Páscoa, palavra vinda da língua acádica pesahu, era a festa da primavera dos pastores no Oriente Próximo. Celebrava-se na primeira lua cheia da primavera, do hemisfério norte, como a festa da vida que renascia depois do inverno.


Anos depois, já nos tempos bíblicos, a Páscoa-Passagem, a Páscoa-Saída, foi celebrada como libertação do Egito. O povo hebreu, escravo no Egito, não podia festejar a Páscoa livremente porque o faraó, com medo de que o povo fugisse, não o deixava sair à amplidão e liberdade da estepe. Ainda assim, os hebreus teimosamente mantiveram sua cultura e tradição. A Bíblia conta, no livro do Êxodo, como o povo organizado conseguiu sair da escravidão. E essa saída foi Páscoa-Passagem, que veio ser celebrada por muitos anos em nome de Javé, o Deus libertador (Ex 12,1-14.21-28).
Memória da libertação
No tempo das tribos, lá pelos anos 1.200-1.000 a.C., a festa da Páscoa-Memória era celebrada como festa de família num espaço de catequese. Comiam ervas amargas para lembrar da amargura da escravidão, e pão ázimo ou sem fermento para recordar a saída apressada do Egito. O cordeiro e o sangue faziam memória da libertação. Aos poucos foi estabelecido um ritual para a festa onde o rapaz mais novo da família fazia perguntas ao pai, que respondia explicando o sentido da festa (Ex 13,11-16). Era momento de memória e renovação da Aliança entre Deus e seu povo.
Durante a época da Monarquia, depois da edificação do Templo e especificamente depois da reforma do Rei Josias, os reis e sacerdotes convidavam o povo para celebrar a Páscoa-Sacrifício em torno do templo, para assim unificar a nação (Nm 28,16-25; Dt 16,1-8).
Após a construção do segundo templo, no pós-exílio, a festa passou a ser festa de romaria do povo judeu que ia a Jerusalém. Às três horas da tarde se matavam os cordeiros no próprio templo e depois se levavam para as casas onde se reuniam por famílias para celebrar a ceia conhecida como seder (Ex 12,43). Esta festa é a que se celebrava no tempo de Jesus. Por isso, os evangelhos relatam que Jesus foi a Jerusalém celebrar a Páscoa, e lá mandou preparar a ceia e jantou com seus discípulos (Mt 26,2.19; Mc 14,1.16; Lc 22,1.13; Jo 2,23; 13,1; 18,39). Jesus assumiu o ser Cordeiro, Pão, Vinho, alimento para nós, dentro da tradição judaica.
Feliz Páscoa!
Até hoje, muitos judeus, na véspera da Páscoa, queimam o que eles chamam de hamets, ou seja, tudo o que leva fermento, já que está proibido ter algo fermentado em casa (Ex 12,19). Celebra-se o rito da busca, passando uma vela por toda a casa e recitando uma bonita oração (lembremos 1Cor 5,7-8). Na hora do jantar, na celebração da ceia se acompanha um texto muito antigo dos judeus chamado Hagada de Pesaj.
Para nossos irmãos judeus a celebração da Páscoa, em todo o mundo, é festejar a nova criação. Páscoa é Aliança. Trato de amizade garantido por Deus. Memória e certeza da promessa feita aos pais (Ex 3,6). O Senhor se revela go’el, redentor ou resgatador do seu povo e assim renova os laços que o unem com o seu povo. Páscoa é passagem da escravidão à libertação, da tristeza à alegria. É o memorial da saída do Egito. Louvação orquestrada pela recitação do Hallel, ou seja, pelos salmos 115 ao 118 das nossas bíblias. Ou pelo Grande Hallel que acrescenta o salmo 136: “Dai graças ao Senhor, porque é bom, porque é eterna sua misericórdia”. Esses judeus, em todo o mundo, repetem a despedida da festa: “Até o próximo ano em Jerusalém”, manifestando o desejo de celebrar na cidade de Davi a festa mais importante da fé judaica.
Para as primeiras comunidades cristãs, a Páscoa foi o centro da pregação, da catequese: lembrar a morte e ressurreição de Jesus! O Jesus vivo, ressuscitado, o Kayros que estava e está presente na comunidade e se faz alimento e força para todas e todos nós (1Cor 11,23-26). Para nós, os cristãos, a Páscoa é esta profunda experiência feita memória e vida em Jesus.
Dizer Feliz Páscoa, na tradição cristã, é desejar e fazer acontecer a fecundidade da terra, dos animais e das pessoas. É acreditar na vida de família, na dignidade da educação, na vida da comunidade, em que a celebração de Jesus Ressuscitado nos anima a lutar contra a opressão, no serviço e na solidariedade.

Mercedes de Budallés DiézBiblista, assessora do CEBI, Goiânia, GO.mercedesbudalles@hotmail.com         Fonte site do Jornal Mundo Jovem

Nenhum comentário: