OBRAS DO SASI

OBRAS DO SASI
SASI

Natal

Natal
natal

ESCOLA INTERATIVA

ESCOLA INTERATIVA
ESCOLA INTERATIVA

APRENDIZAGEM

APRENDIZAGEM
APOIO

AVALIAÇÃO

AVALIAÇÃO
AVALIAÇÃO

DIÁRIO DIGITAL

DIÁRIO DIGITAL
DIÁRIO DIGITAL

ENEM

ENEM
ENEM

Inscrição

Inscrição
INSCRIÇÃO

CAMPANHA CONTRA O BULLYING

domingo, 26 de março de 2017

Ângela, os fogões de lenha podem desaparecer, mas a amizade não! Obrigado pela gostosa presença! Uma mestra na cozinha é sempre multiplicadora de sabores, de esperanças, de sonhos e de amanhãs! É você!...

 Um reencontro de amigos é como um trinado de pássaros, a professora Jane disse isto em um poema,  mexem com as saudades,  remexem baús repletos de vivências que recontadas agora, têm  sabor  e se torna ingrediente do próprio pão que Ângela fazia ali.  


O poeta e cantador Josino Medina no seu Receita de Pão Caseiro, fala da necessidade de alma e prosa para preparar o pão. Em Ângela  alma e prosa são ingredientes que não faltam enquanto tece as histórias da existência ao amassar do pão.  


Há pedra na vida...
Mas há conquistas e afetos nas amizades.
O bom mesmo da vida é saber que quando se encontram, na hora de fazer o pão, ele ganha mais sabor.
E fazem pão sim mas celebram também um viva a amizade!


Os afetos cotidianos de uma amizade, esquecidos na distância...
A prosa desinteressada que se instalou na chegada .
O exercício de tecer um alimento gostoso, trazem sabor e alegria à vida.

E ali, na prosa e no pão gostoso, feito no encontro de amigos é que se encontra também vários enredos para viver. 


E quem vem de fora saboreia...gosta... se alegra... e entra no jogo de afazeres de sabor.
Parece que muito do que se perdeu da distância  retornou ali, naquele encontro simples e rico do sabor de  cotidiano.

Antônia Vitória e Jovana saborearam do segredo do fazer pão com prosa. Pão  gostoso feito com ingredientes de simplicidade,  de existência, de consideração, de poesia que se eternizam na emoção destas fotos.



A recompensa... é a pura alegria pelo outro que te saboreou e do sabor que sentiste do outro. Comer do alimento que o outro fez, temperado ali mesmo com as histórias e com a vida de quem fez, é se alimentar da dimensão mais sublime de uma pessoa: sua alma.



Fazer receitas gostosas é como o brincar de uma criança, é combinar e testar sabores, experimentar misturas,  e tornar muito gostosa a vida que se vive.

É encher-se de encantamentos a quem se submete à prova e se surpreende com a delícia do que se fez.
  


A vida pode ser muito saborosa se escolhermos o outro como tempero. O outro é sempre as nossas ervas finas, o sabor mais gostoso, o principal ingrediente que transforma os pratos mais comuns, em inéditos com surpreendentes sabores, repletos de  aromas, cores novas e de amor. 
Que sentido tem um solitário em uma mesa bem farta!
A vida poderia ser sempre assim, uma comida gostosa que alguém amigo fez pra mim...e ainda a  gente senta junto pra comer.


Obrigado Ângela,  pelo prazer do pão gostoso, do tererê na madrugada e da sua presença. Chuva de pétalas de rosas para você,  que faz a vida ser gostosa e cheia de receitas de encantamentos que podem nos levar ao encontro de onde está um pouco da luz da felicidade. 

   
Um encontro é sempre um acender de memórias, alimentadas pelo fogo da lembrança, você não poderia deixar de falar dele: Madinho. Um cara que sempre nos comunicou da existência de outros mundos muito mais plenos.
Se Deus fez este mundo tão belo assim, porque ele é tão cheio de pecado e morte?  Imagine então Ângela,  o esplendor sem fim que Madinho encontrou ao desembarcar no Paraíso!...
O Céu é uma morada permanente... não é Carlos Chagas onde ele nasceu, precisa-se fazer muito por esta cidade para que as pessoas vivam melhor aqui, nem Medianeira para onde mudou e encontrou oportunidades, nem os Estados Unidos, muito menos Portugal onde trabalhou, é um lugar onde ele desfez suas malas de vez para  ficar para sempre... E conhecendo um pouco deste homem afetuoso,  sabendo que ele já era do mundo para onde viajou, penso que deve ter achado incrível, dormir aqui para todos que o amava, e ter  acordado no Céu, e simplesmente ver que chegou em sua casa!



A morte enriquece a vida... de quem partiu e de quem ainda está por aqui. Porque no final mesmo, todos nós estaremos agasalhados é na eternidade. 
Deus oculta da gente a felicidade da morte para que possamos suportar a vida. Ficamos tristes e choramos muito, quando pedaços de nossas vidas se vão,  porque achamos que a morte é um mergulho no infinito do escuro.
                         

         De tudo que se disse, concluo: "quero o amanhecer dos encontros sem abrir mão do entardecer das nossas almas", de preferência tomando tererê na madrugada, comendo pão com poesia feito por Ângela e ouvindo magnifícas histórias contadas por ela enquanto faz o pão.   E pode deixar ela chegar no modo poético quintaniano, um céu que vai entardecendo e a gente nem ficar sabendo que é o fim.                                                                                     Deodato Gomes Costa

Nenhum comentário: