ISENÇÃO

ISENÇÃO
ISENÇÃO

ESCOLA INTERATIVA

ESCOLA INTERATIVA
ESCOLA INTERATIVA

APRENDIZAGEM

APRENDIZAGEM
APOIO

AVALIAÇÃO

AVALIAÇÃO
AVALIAÇÃO

DIÁRIO DIGITAL

DIÁRIO DIGITAL
DIÁRIO DIGITAL

ENEM

ENEM
ENEM

Inscrição

Inscrição
INSCRIÇÃO

ENCEJJA

ENCEJJA
encejja

Instituto Avaliar - PAAE

Instituto Avaliar - PAAE
Instituto Avaliar - PAAE

MECFLIX

MECFLIX
MECFLIX

COPESE

COPESE
sasi

CAMPANHA CONTRA O BULLYING

terça-feira, 26 de dezembro de 2017

Por que ler Clarice Lispector? Em dezembro, completam-se 40 anos do falecimento da escritora brasileira e da publicação de uma de suas principais obras.


Por que ler Clarice Lispector?

Em dezembro, completou 40 anos do falecimento da escritora brasileira e da publicação de uma de suas principais obras.(10-12-1920 - 09-12-1977)

Ouça a matéria



Quando o assunto é a escritora, o que não faltam são leitores apaixonados para falar da sua obra. A estudante de jornalismo Heloísa Iaconis é exemplo disso. Ela conta que admira muitas escritoras, cantoras e artistas do cenário cultural brasileiro. Mas Clarice, é certo, está entre as autoras preferidas. A paixão vem de cedo. Heloísa conheceu a escritora com 11 anos, quando estava na quinta série e leu A hora da estrela, uma das principais obras da autora.
"Eu leio Clarice porque, através dos textos dela, das histórias que ela criou, eu consigo manter viva a minha inquietude, que acho que é um pilar essencial da vida. Através das palavras dela, eu consigo deixar que pulse a minha capacidade de me indignar diante de muitas coisas, sejam sociais, políticas, de espírito ou psicológicas", conta.
Em dezembro de 2017, completam-se 40 anos da morte de Clarice e, também, da publicação de A hora da estrela. Ela nasceu na Ucrânia em 1920, época da Revolução Bolchevique, mas naturalizou-se brasileira. Para fugir da perseguição aos judeus, sua família se mudou para Recife ainda em seus primeiros anos. Escritora e jornalista, escreveu contos, romances, crônicas e obras infantis.
Mas, há quem acredite que ler Clarice não é uma tarefa fácil. Para a professora e doutora em literatura pela Unicamp Emília Amaral, grande parte disso se deve ao fato de a escritora desafiar o seu leitor.
"A dificuldade em ler Clarice vem da nossa dificuldade em pegar um romance, ou um livro de contos, e não achar logo o enredo. O traço estilístico básico de um romance é que ele vai contar uma história, e o leitor pega o romance esperando essa história. O estilo de Clarice é nos aquecer junto com ela para entrar na história. A gente entra com ela em um processo de metalinguagem de ir parindo a história, e o leitor faz parte disso", explica a professora.
Mulher e judia em uma época na qual a participação feminina na literatura ainda era pouco discutida, Clarice foi uma escritora muito mistificada. Ainda na década de 1960, ela encontrou dificuldade para publicar seus textos. Na época, estava em evidência o chamado "realismo socialista". Autores como Graciliano Ramos e João Guimarães Rosa ganhavam palco ao falar da realidade do povo brasileiro. Mas Clarice, como conta Emília, não se encaixava nessa demanda do mercado. "Está todo mundo pensando na realidade social, na seca, no sertanejo, e a Clarice está falando de dentro da nossa alma."

Aqueles que se dão a chance de conhecer a obra da escritora terão experiências diferentes das que têm com qualquer outro autor, explica a professora. "Ler Clarice, como ler qualquer boa literatura, é transformar a vida. É poder viver a partir da nossa vidinha única muitas outras vidas e descobrir muitas outras coisas que nos ampliam a humanidade. Ler Clarice, particularmente, é se conhecer melhor. É pagar o ingresso de ir mais fundo, de deixar de lado a superficialidade do cotidiano e tentar ir mais fundo naquilo que nós somos, queremos, dos nossos sonhos, contradições etc."
Para aqueles que ainda não entraram no mundo clariciano, a professora deixa uma dica: "Sugiro um livro de contos, especialmente Felicidade Clandestina e também Laços de Família, que são contos com enredos leves, curtos e absolutamente adoráveis. Você não consegue parar." 
Emília escreveu, recentemente, a obra Para amar Clarice. O livro traz uma análise das obras da escritora, na tentativa de desmistificar suas histórias para que todos possam ser capazes de entender seus personagens. Uma boa chamada para aqueles já leem a autora e os que querem dar uma chance para conhecê-la.  Edição: Anelize Moreira
                                                                            Reprodução do site: Brasil de Fato

Nenhum comentário: