AVALIAÇÃO

AVALIAÇÃO
AVALIAÇÃO

DIÁRIO DIGITAL

DIÁRIO DIGITAL
DIÁRIO DIGITAL

NATAL

NATAL
natal

ENCEJJA

ENCEJJA
encejja

Campanha

Campanha
Campanha

CAMPANHA CONTRA O BULLYING

segunda-feira, 5 de novembro de 2018

Uma reflexão interessante sobre meritocracia feita por uma juíza!

A Juíza de Direito Fernanda Orsomarzo usou o seu Facebook para contar sua história e falar sobre a meritocracia.
“Ralei duro para ser Juíza de Direito. Cheguei a estudar 12 horas por dia em busca da concretização do tão almejado sonho. Abdiquei de festas, passei feriados em frente aos livros, perdi momentos únicos em família. Sim, o esforço pessoal contou. Mas dizer que isso é mérito meu soa, no mínimo, hipócrita.
Em primeiro lugar, nasci branca. Faço parte de uma típica família de classe média. Estudei em escola particular, frequentei cursos de inglês e informática, tive acesso a filmes e livros. Contei com pais presentes e preocupados com a minha formação. Jamais me faltou café da manhã, almoço e jantar. Nunca me preocupei com merenda ou material escolar.
Todos têm suas lutas e histórias de vida. Todos enfrentam dificuldades e desafios. Porém, enquanto para alguns esses entraves não passam de meras pedras no caminho, para outros a vida em si é uma pedra no caminho.
Meu esforço individual contou, mas eu nada seria sem as inúmeras oportunidades proporcionadas pelo fato de ter nascido – repito – branca e no seio de uma família de classe média minimamente estruturada.
O mérito não é meu. Na linha da corrida em busca do sucesso e realização, eu saí na frente desde que nasci. Não é justo, não é honesto exigir que um garoto que sequer tem professores pagos pelo Estado entre nessa competição em iguais condições. Nunca, jamais estivemos em iguais condições.
O discurso embasado na meritocracia desresponsabiliza o Estado e joga nos ombros do indivíduo todo o peso de sua omissão e da falta de políticas públicas. A meritocracia naturaliza a pobreza, encara com normalidade a desigualdade social e produz esquecimento – quem defende essa falácia não se recorda que contou com inúmeros auxílios para chegar onde chegou”

2 comentários:

Unknown disse...

Muito interessante este artigo porque a desigualdade social fica escondida e então vamos dando merito aos q nao precisam.
Como ela diz prá ela foi fácil e isso se repete no dia a dia.

Unknown disse...

Muito interessante este artigo porque a desigualdade social fica escondida e então vamos dando merito aos q nao precisam.
Como ela diz prá ela foi fácil e isso se repete no dia a dia.