INSCRIÇÃO

INSCRIÇÃO
INSCRIÇÃO

ESCOLA INTERATIVA

ESCOLA INTERATIVA
ESCOLA INTERATIVA

APRENDIZAGEM

APRENDIZAGEM
APOIO

AVALIAÇÃO

AVALIAÇÃO
AVALIAÇÃO

DIÁRIO DIGITAL

DIÁRIO DIGITAL
DIÁRIO DIGITAL

ENEM

ENEM
ENEM

Inscrição

Inscrição
INSCRIÇÃO

ENCEJJA

ENCEJJA
encejja

Instituto Avaliar - PAAE

Instituto Avaliar - PAAE
Instituto Avaliar - PAAE

MECFLIX

MECFLIX
MECFLIX

COPESE

COPESE
sasi

CAMPANHA CONTRA O BULLYING

OBRAS DO SASI

OBRAS DO SASI
OBRAS DO SASI

Registro

Registro
registro de experimento

quinta-feira, 19 de julho de 2018

Somos responsáveis pelos nossos atos, não pelos nossos sentimentos. Uma situação injusta, um comentário que machuca. Como você se sente nessas situações? E como você se comporta?



Para termos o controle total de nossas emoções, seria preciso termos também o controle absoluto de todos os fatores externos que, como sabemos, não dependem de nós. Nosso metabolismo recebe todos os tipos de estímulos – inclusive aqueles que não desejamos. 
Por outro lado, o que conta é nosso comportamento, o que realmente decidimos fazer diante desses estímulos que recebemos. Neste sentido, a nossa inteligência intervém, assim como a nossa capacidade de discernimento, de escolhas e de assumir responsabilidades. 
Não podemos controlar totalmente nossos estados de ânimo, o que sentimos e percebemos. Mas podemos, sem dúvidas, decidir o que queremos fazer diante de determinada situação, exercitando, assim, a nossa liberdade. 
O importante é saber diferenciar entre o valor de nossos atos livres e as relações fisiológicas inevitáveis, que são consequências dos estímulos externos. 
O verdadeiro exercício de nossa liberdade está no comportamento, nas ações. Podemos sempre melhorar a nossa capacidade de autocontrole e gestão do mundo emocional. Mas sentir e perceber são coisas que nosso organismo continuará administrando de maneira intuitiva. A liberdade humana pode ser percebida no desenvolvimento de grandes faculdades, como a inteligência e a vontade. 

Diferenças entre emoções e sentimentos 

As emoções e os sentimentos vêm depois das sensações, como consequências da percepção e dos sentidos. 
A emoção é uma reação complexa do cérebro diante de um estímulo externo (algo que vejo ou ouço) ou interno (pensamento, lembranças, imagens internas). As emoções surgem sem uma análise particular de nossa parte. Isso não impede a possibilidade de análise e a capacidade que temos de sermos conscientes do que vivemos a cada instante. Mas temos que ter em mente que o controle total do nosso mundo emocional é impossível. Só é possível controlar nossas ações. Ainda assim, não somos perfeitos nesse quesito. A busca por uma contínua superação neste sentido já é um ótimo caminho. 
Os sentimentos são a soma da emoção + pensamento. São a experiência subjetiva de nossas experiências emocionais. Uma emoção se transforma em sentimento na medida em que tomamos consciência dela. Ou seja, no sentimento existe, além da reação fisiológica, um componente cognitivo e subjetivo. Um sentimento, portanto, se dá quando rotulamos a emoção e emitimos um juízo sobre ela.
Os sentimentos costumam durar mais tempo que as emoções. As emoções duram o tempo que pensamos nelas. Já os sentimentos se dão depois das emoções. Para concluir: não há sentimento sem emoção. 
                                                                                Autor - Javier Fiz Pérez
Replicado do site:

Nenhum comentário: