Bullying

sábado, 23 de outubro de 2021

A organização do Mapa das Carteira agora é norma de proteção com o fim do distanciamento e a instituição do ensino presencial obrigatório. Qual é a melhor forma de organizar as carteiras na sala de aula? Veja quatro formatos possíveis de organização e quais interações são favorecidas em cada um deles.




Imagine uma situação em que você, educador, está na posição de quem aprende. Pode ser em um congresso, curso ou formação – até mesmo aquelas reuniões da secretaria. O que você prefere: passar todo o tempo sentado em intermináveis fileiras ou assumir uma postura mais participativa, com discussões em grupos ou círculos? “Os professores gostam de sair da ‘pedagogia da nuca’ – em que todos se vêem de costas – e interagir com os colegas. Mas quando você pergunta se fazem isso nas suas salas, pouquíssimos fazem”.

A discussão sobre qual seria a melhor maneira de organizar os alunos na sala de aula acompanha a evolução da Pedagogia nas últimas décadas. O modelo tradicional, de fileiras individuais justapostas em linhas paralelas, tem sido posto em xeque por limitar o ensino à aula expositiva e não favorecer a interação entre alunos e entre estes e os professores. 

Afinal, existe formato ideal? “Na verdade, isso depende da intencionalidade pedagógica, isto é, dos objetivos que o docente espera que os alunos alcancem”. Não se trata de adotar um e abandonar o outro para garantir melhor aprendizado. “A sala pode e deve mudar conforme a necessidade do momento”.

O ponto central na escolha do formato deve contemplar o desenvolvimento de habilidades de colaboração e troca entre os colegas – o que nem sempre é fácil para quem está habituado à estrutura tradicional de sala de aula. Para compreender melhor as propostas e implicações de cada forma de organização, listamos as vantagens que oferecem no processo de ensino-aprendizagem.

Fileiras individuais 





 U (meia-lua)



Os dois formatos permitem que o educador trabalhe aulas expositivas, apresentações em vídeo, filmes e situações em que é necessário o apoio da lousa. O esquema tradicional, porém, tem seus críticos. “Colocamos os alunos durante cinco horas olhando um para a nuca do outro e queremos que se sintam estimulados?”. A meia-lua ou U sai na frente. “Quando o aluno vê a sala como um todo, consegue interagir mais com os colegas, o que é muito favorável para a aprendizagem”.

Esse formato proporciona contato visual entre todos os presentes e favorece o debate coletivo, além de manter a possibilidade de foco no professor e na lousa – que não precisa ser demonizada. Há momentos em que a lousa é a opção mais eficiente para apoiar uma explicação ou registrar as questões de uma discussão.

Há alguma utilidade nas fileiras, especialmente em ambientes espaciais mais limitados. “Em certos momentos, a aula tem um foco central, que pode ser uma exposição oral, um vídeo, o trecho de um filme, e a sala não possui espaço suficiente para acomodar todos os alunos e as mesas em formato de meia-lua”.

Outro ponto que pode pesar na escolha tem muito mais a ver com a postura do professor e como ele se conecta à sala de aula. “É preciso considerar que o professor, às vezes, se sente mais confortável ao explicar um conteúdo para a sala em fileiras. Não precisamos descartar o modelo a priori, nem nos amarrarmos a ele”.

Duplas ou trios


Esse formato é recomendado para uma interação mais direta entre os alunos. “É uma composição muito utilizada em atividades de produção de texto e de alfabetização, em que se podem construir duplas produtivas”, explica Claudia. O professor pode, por exemplo, propor uma atividade de escrita juntando um aluno com escrita ortográfica (isto é, que já domina a norma padrão da língua e é capaz de construções mais complexas) e outro que ainda não alcançou o mesmo nível, mas é criativo e pode ajudar na elaboração da história. Também pode unir um aluno alfabético e outro silábico para que troquem conhecimentos, ou ainda estudantes com saberes diferentes de matemática para resolver um problema que exige vários procedimentos.

Na composição ideal, os integrantes das duplas não se sentam um ao lado da outro, mas um  de frente para o outro. O modelo favorece a interação e discussão entre os dois colegas. “Pode parecer só um detalhe, mas dirigir o olhar e a discussão dessa maneira são favorecidos”,.

Grupos (quatro ou mais alunos)


Os grupos formados por um número maior de alunos são indicados nos casos em que é preciso levantar hipóteses, investigar diferentes itens e pluralizar o olhar sobre o objeto de aprendizagem. Aumentam-se as informações e olhares sobre o processo – com a possibilidade de desenvolver outras habilidades e competências que não são possíveis no trabalho individual. “Trabalhar em grupo – independentemente de você ser chefe ou funcionário – é algo que encaramos ao longo de toda a vida”, diz Célia. “As dinâmicas de sala em que há trabalho em equipe favorecem esse desenvolvimento”.

Habilidades como negociação, argumentação, responsabilidade compartilhada, divisão e delegação de tarefas são desenvolvidas à medida que as crianças se veem diante dos desafios do trabalho em equipe. Quando a formação de grupos é pontual, ou seja, acontece algumas vezes, é mais difícil desenvolver tais habilidades do que quando se cria uma dinâmica de equipe. “O grupo começa a se autogerir”, explica a especialista. “Mas o professor deve observar essa dinâmica para intervir nos grupos em que um aluno, por exemplo, não está colaborando. Isso ajuda tanto esse indivíduo quanto o grupo a se desenvolver”.

Para a formadora, a dinâmica de organização da sala vai ganhando agilidade à medida que os estudantes vão se familiarizando com a proposta. Idem para comportamento. “Os problemas de comportamento não são maiores do que quando os alunos estão enfileirados”, defende Célia. De acordo com ela, a agitação é maior na formação ocasional de grupos, do que quando estão acostumados a trabalhar com esse formato.  “A questão de ter o ‘controle’ da turma também não desenvolve a autonomia dos estudantes”.

E onde deve ficar a mesa do professor?

No modelo tradicional, a mesa do professor geralmente está localizada à esquerda da lousa, para não atrapalhar a visibilidade. Saindo do modelo de fileiras, a mesa do professor pode ficar em qualquer lugar da sala, já que ele irá circular entre as equipes. Idem no semicírculo: a mesa fica fora da roda. Isso implica em maior mobilidade para o docente, que mantém os alunos em seu raio de visão, o que estimula o contato.

NOTA DA 6ª VERSÃO DO PROTOCOLO DE RETORNO ÀS ATIVIDADES ESCOLARES ´PRESENCIAIS


NOTA À 6ª VERSÃO DO PROTOCOLO SANITÁRIO

DE RETORNO ÀS ATIVIDADES ESCOLARES PRESENCIAIS

A continuidade da contribuição dos mineiros com as medidas de prevenção à COVID-19 e a boa adesão à vacinação em todas as faixas etárias elegíveis no estado tem gerado impacto na diminuição dos novos casos diários da doença em Minas Gerais, bem como na diminuição dos casos graves e óbitos. Trata-se de um esforço conjunto do Governo do Estado de Minas Gerais e cidadãos. Com a melhora da situação epidemiológica, é possível avançar nas estratégias de flexibilização, e diminuir as medidas restritivas, inclusive aquelas aplicáveis ao ambiente escolar.

Com base nisso, a 6ª edição do Protocolo Sanitário de Retorno às Atividades Escolares Presenciais têm como principais modificações a retomada obrigatória de alunos às atividades escolares presenciais e a revogação da distância de 0,90 metros (90cm) entre alunos nas salas de aula e nos demais espaços escolares, bem como no transporte escolar. No entanto, o mascaramento universal e as demais medidas de proteção permanecem como obrigatórias para instituições públicas e privadas.

Na data de publicação dessa versão, em 22 de outubro de 2021, dados da Sala de Situação da Secretaria de Estado de Saúde, demonstram que 81,17% dos trabalhadores da educação já se encontram completamente imunizados (com duas doses ou com dose única) no Estado, isso perfaz 292.623 trabalhadores em todo estado. A vacinação de crianças e adolescentes também segue no mesmo caminho, 39,23% da população de faixa etária de 12 a 17 anos já recebeu a D1 do esquema vacinal desde a Deliberação CIB-SUS/MG Nº 3.508, de 03 de setembro de 2021, com os novos envios de imunizantes do Ministério da Saúde, esperamos um avanço ainda mais significativo da imunização no estado e a diminuição de outras restrições impostas para a proteção da sociedade mineira e de nossos cidadãos.

A revogação dessas medidas restritivas somente foi possível em virtude da melhoria do quadro epidemiológico de Minas Gerais como um todo (hospitalizações, casos graves, número de casos), pela adoção das medidas cumulativas de prevenção à COVID-19 nas instituições de ensino, bem como pelo avanço da vacinação dos Trabalhadores da Educação e na população de 12 a 17 anos. Outro ponto importante para decisão de suspensão das medidas retromencionadas diz respeito à avaliação dos risco-benefício: os benefícios da suspensão dessas medidas se sobrepõem aos riscos relacionados à transmissão no ambiente controlado da escola, em virtude do aumento da população vacinada na comunidade como um todo, inclusive na comunidade escolar, e da própria situação de saúde do público-alvo (comunidade escolar), somado às informações de distribuição epidemiológica .

Porém considerando que à COVID-19 ainda é uma ameaça à Saúde Coletiva, outras medidas de proteção ainda devem ser incentivadas e podem ser encontradas no item 4 deste documento. 

No Quadro-resumo abaixo, há o apontamento das atualizações desta 6ª versão do protocolo:



Volta às aulas presenciais não será mais facultativa a partir de 3/11 em Minas Gerais - Novo protocolo para atividades escolares acaba com o distanciamento adicional entre alunos

 


A partir do dia 3/11, o retorno às aulas presenciais não será mais facultativo nas redes públicas e privadas de ensino em todo o Estado de Minas Gerais. A decisão foi tomada nesta sexta-feira (22/10) pelo Centro de Operações de Emergência de Saúde (COES), da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais, que aprovou a 6ª versão do Protocolo Sanitário de Retorno às Atividades Escolares Presenciais. A medida também acaba com a exigência de distanciamento adicional de 0,90 metro entre os estudantes nos ambientes da escola.

Pela nova versão do protocolo, permanecem vigentes as demais recomendações sanitárias, como o uso correto de máscaras cobrindo boca e nariz por todos, lavagem de mãos, etiqueta respiratória e a limpeza e manutenção frequente das instalações, bem como o rastreamento de contato com pessoas infectadas por covid-19 em combinação com isolamento e quarentena.



A determinação do retorno às aulas foi possível devido à redução de casos de covid-19 no Estado em associação com o avanço da vacinação, como destaca o secretário de Estado de Saúde, Fábio Baccheretti. “Diante da melhoria constante dos indicadores relacionados à pandemia, com redução da incidência e do número de casos novos, redução também da internação e da ocupação dos leitos, o grupo técnico resolveu discutir mais uma vez o protocolo sanitário de retorno às aulas”, afirma o secretário.

“Foram apresentadas várias justificativas, entre elas o crescimento da vacinação e o aumento do número de pessoas com duas doses recebidas. Os professores já estão todos vacinados e o alunos acima de 12 anos também já iniciaram o processo de vacinação”, completa Baccheretti.

A flexibilização reforça a necessidade de intensificar o monitoramento de casos de covid-19 e seus contatos na comunidade escolar em conjunto com as secretarias municipais de Saúde e também a observância das práticas de segurança previstas no protocolo de retorno escolar, tendo em vista a manutenção da flexibilização das medidas.

Segundo o secretário, outro fator que permite a retomada segura das aulas presenciais a todos os estudantes é a grande adesão aos protocolos sanitários pelas escolas públicas e privadas. “Isso permitiu que o grupo técnico decidisse acabar com o distanciamento adicional entre as carteiras”, disse.

O retorno presencial das crianças e adolescentes tem exceção a estudantes com condição de saúde de maior fragilidade à covid-19, comprovada com prescrição médica para permanecer em atividades remotas.

Para a secretária de Estado de Educação, Julia Figueiredo Goytacaz Sant'Anna, a possibilidade de retorno de todos os alunos às salas, é consequência de um trabalho que vem sendo realizado desde junho. “A rede estadual de ensino de Minas Gerais vem realizando um processo de retomada das atividades presenciais nas escolas, de forma muito segura e consciente, e a melhora constante dos índices epidemiológicos e a ampla vacinação dos profissionais da educação e dos adolescentes nos traz muita tranquilidade de dar este novo passo. Entendemos que a volta de todos os alunos para as escolas é fundamental para o fortalecimento do processo de aprendizagem e do vínculo com a escola, atuando de forma ainda mais efetiva para reduzir as defasagens no ensino e a evasão escolar dos nossos estudantes”, afirma.

“A Secretaria de Educação vai dar todas as orientações necessárias aos gestores escolares para que eles informem às famílias, aos estudantes, professores e demais servidores das escolas como se dará essa nova etapa da nossa retomada presencial”, completa a secretária.

A íntegra da 6ª versão do Protocolo de Retorno às Atividades Escolares Presenciais encontra-se disponível aqui.

Fonte: Site da Secretaria de Estado da Educação

terça-feira, 12 de outubro de 2021

Compartilhamos uma mensagem de amor e carinho para esta data especial que celebra nossa Mãe Maria Santíssima e as Crianças!...


Celebramos o Dia da Criança com a última mensagem de D. Zilda Arns-fundadora da Pastoral da Criança- proferida no Haiti dia 12-01-2021. Ela não concluiu seu discurso porque uma viga da igreja a atingiu com o terremoto.

"Como pássaros, que cuidam de seus filhos ao fazer um ninho no alto das árvores e nas montanhas, longe dos predadores, ameaças e perigos, e mais perto de Deus, deveríamos cuidar de nossas crianças como um bem sagrado, promover o respeito a seus direitos e protegê-los"

Novo Protocolo Sanitário das atividades presenciais nas Escolas, flexibiliza e diminue restrições para o ambiente escolar. As Escolas Municipais já se estão se adequando.

NOTA DA 5ª VERSÃO DO PROTOCOLO

A contribuição dos mineiros com as medidas de prevenção à COVID-19 e a boa adesão a vacinação em todas as faixas etárias elegíveis no estado tem gerado impacto na diminuição dos novos casos diários da doença em Minas Gerais, bem como a diminuição dos casos graves e óbitos. Trata-se de um esforço conjunto do Governo do Estado de Minas Gerais e cidadãos. 

Com a melhora da situação epidemiológica, é possível avançar nas estratégias de flexibilização, e diminuir as medidas restritivas, inclusive aquelas aplicáveis ao ambiente escolar.

Com base nisso, a 5ª edição do Protocolo Sanitário de Retorno às Atividades Escolares Presenciais têm como principal modificação o aumento da capacidade de indíviduos nas salas de aula e nos demais espaços escolares, bem como no transporte escolar. Anteriormente, a capacidade permitida era 50% nos espaços escolares, agora retornamos a ocupação de 100% dos espaços, desde que sejam mantido o distanciamento de 0,90 metros entre os estudantes nos ambientes da escola. O mascaramento universal e as demais medidas de proteção permanecem como obrigatórias para instituições públicas e privadas. Outras alterações desta edição incluem: substituição de metragem de distanciamento nos refeitórios de 1,5 metros para 0,90 metros (item 7.6), exclusão da restrição de uso de computadores, equipamentos eletrônicos e outros objetos de uso compartilhado e exclusão de “quarentena de livros” devolvidos na biblioteca (anteriomente presentes no item 7.3).

Sempre importante lembrar que a pandemia da COVID-19 é um evento dinâmico e aos poucos novas evidências científicas são apresentadas por pesquisadores de todo mundo. Deste modo, diante de novas descobertas e de alterações do quadro epidemiológico, as diretrizes deste protocolo podem sofrer alterações.

Esperamos que o mais breve possível os cidadãos de Minas Gerais possam retornar complemente a suas rotinas. A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais espera que com as mudanças propostas nessa versão, a comunidade escolar possa, pouco a pouco, retornar completamente as suas atividades habituais, e que sejam mitigados os prejuízos educacionais e sociais que a pandemia da COVID-19 trouxe para toda a sociedade.

 Acesse o documento aqui

sexta-feira, 1 de outubro de 2021

Venha saber como a Google e a Reeducation ajudarão a transformar a Educação em Carlos Chagas.



Poder contribuir para a formação dos nossos alunos é a nossa motivação. Por isso, para acompanhar as rápidas mudanças que estão acontecendo no mundo, estamos investindo para estimular o bom desempenho de nossas instituições e caminhar rumo a construção da educação do futuro.

Nesse sentindo, trouxemos para nossas salas de aula o ecossistema tecnológico Google For Education. Para nossos alunos, isso significa mais estímulo, confiança, segurança e, acima de tudo, responsabilidade com um aprendizado mais eficiente e conectado com o futuro. E para os professores, significa ter mais tempo para ensinar e inspirar os alunos.

Além disso, as novas metodologias que serão aplicadas atendem as demandas da 4ª revolução industrial (inteligência e conexão), bem como a normas da BNCC, para o desenvolvimento do conhecimento e da personalidade.

É com alegria que compartilhamos com vocês esse grande momento e esperamos contar com o seu apoio para termos uma Educação com ainda mais qualidade.

                                            Por Deodato Gomes

Carta aos Pais de alunos da Rede Municipal de Carlos Chagas. Todos convocados para o Encontro Virtual nesta Terça Feira dia 05 de Outubro.

Caros pais ou responsáveis,

Poder contribuir para a formação dos nossos alunos, seus filhos é a nossa motivação. Por isso, para acompanhar as rápidas mudanças que estão acontecendo no mundo, estamos investindo para manter o bom desempenho de nossas instituições e caminhar rumo a construção da educação do futuro.

Nesse sentido, trouxemos para nossas salas de aula o ecossistema tecnológico Google For Education, por meio de uma parceria com a Reeducation. Para nossos alunos, isso significa mais estímulo, confiança, segurança e, acima de tudo, responsabilidade comum,  aprendizado mais eficiente e conectado com o futuro. E para os professores, significa ter mais tempo para ensinar e inspirar os alunos.

Além disso, as novas metodologias que serão aplicadas atendem as demandas da 4ª revolução industrial (inteligência e conexão), bem como a normas da BNCC, para o desenvolvimento do conhecimento e da personalidade.

É com alegria que compartilhamos com vocês esse grande momento e esperamos contar com o seu apoio para termos uma Educação com ainda mais qualidade.

Prefeito Municipal, Secretário de Educação e Gestores das Escolas.



Carta ao Professor da Rede Municipal de Carlos Chagas. De olho no ENCONTRO VIRTUAL DE ABERTURA no dia 05 de Outubro às 15 horas.

Professor(a), 

O mundo está mudando e, para que possamos atender as novas demandas educacionais, nós também precisamos mudar.  Sabemos que lecionar é um ato importante, por meio do qual você ajuda a construir o caráter e a educação dos nossos alunos. Por isso, queremos caminhar com você nessa tarefa. 

Fechamos uma parceria com a Reeducation e trouxemos para as nossas salas de aula o ecossistema Google For Education, visando implementar o uso de recursos tecnológicos para a otimização do processo de ensino e aprendizagem.

Para isso, vamos capacitar nosso corpo docente por meio de itinerários formativos que lhe ajudem a conhecer as melhores formas de utilização das ferramentas Google For Education sob o viés pedagógico, adotando práticas que favoreçam a educação disruptiva. As novas soluções para educação auxiliam nas atividades diárias, nos planos de aula e também na comunicação entre educadores e estudantes. Com isso, esperamos desenvolver competências e habilidades alinhadas às necessidades do mercado de trabalho e com a Cultura Digital preconizada na BNCC – Base Nacional Curricular Comum. 

É com alegria que compartilhamos com você esse grande momento e esperamos contar com o seu apoio para termos uma educação com ainda mais qualidade. Não fique fora das Capacitações. Chegou a hora da gente se reinventar! 

Assinam esta Carta: Prefeito Municipal, Secretario de Educação e Gestores das Escolas.

Observação: O desafio agora da Capacitação é adapatar todo o  PET 4 para o Google Forms. 

quarta-feira, 29 de setembro de 2021

Uma tarde muito bacana com momentos ricos de reflexão na agência do SEBRAE em Nanuque.


Uma tarde muito bacana... Momentos ricos de reflexão... junto com Renata e Berenice do SEBRAE, Suely, Danielle e Paulo da Secretaria Municipal de Educação.

Revisamos alguns conceitos sobre gestão da educação pública com a simpática Berenice do Sebrae em Nanuque. O Encontro foi hoje (29-09) por um período  de 4 horas.

Com o tema Excelência na Gestão Municipal refletimos sobre  Missão, Visão e Metodologia do Planejamento Estratégico... Afinal sem não existe Educação sem Planejamento. 

Foram revistos os pressupostos de um bom planejamento  cujos pontos estão  assentados na BNCC, que hoje está contemplada no Currículo de Minas,  os  Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS),  diretrizes da Organização das Nações Unidas, ONU, firmado em 2015. Um pressuposto também igualmente importante é a realidade da Educação da nossa Carlos Chagas.

Na Missão refletimos sobre que legado a Administração do Prefeito Nanayoski quer deixar para a  Educação na cidade. Que tipo de homem e mulher serão formados com as ações implementadas hoje na Educação Municipal? 

Conversamos muito sobre Visão, indagamos que tipo de referência a educação na gestão do Prefeito Nanayoski quer ser em Carlos Chagas?

Aprendemos a Metodologia PES, que identifica, seleciona e prioriza os problemas, descreve, explica, define a situação, identifica as operações necessárias ao enfrentamento do problema, analisa viabilidade e faz a implementação da resolução do mesmo.

Foi uma tarde  bastante impulsionadora.

                             Por Deodato Gomes 

terça-feira, 28 de setembro de 2021

Prefeito Nanayoski anuncia o Projeto de autonomia financeira das Escolas e o pagamento do abono salarial já no mês de setembro.



O Prefeito reuniu ontem 27 de setembro com os Gestores Escolares e anunciou a criação do Programa de Gestão Financeira Escolar – (PROGEFE), que vai entregar  recursos diretamente para as Escolas, conferindo às mesmas autonomia financeira para resolver suas necessidades. Neste ano de 2021 o recurso é de R$70.000,00 e para o ano de 2022 foi alocado no orçamento um valor de R$ 500.000,00. O dinheiro será administrado pelas  Caixas Escolares, entidade que tem como função básica administrar os recursos financeiros da escola.

Um grande avanço na Educação Municipal de Carlos Chagas, que vem garantir liberdade das Escolas para resolverem seus problemas do dia a dia sem precisar reportar à Secretaria de Educação.

No mesmo momento o Prefeito anunciou também o pagamento do Abono Salarial a todos os profissionais da educação que estão vinculados ao FUNDEB-70, já a partir desse mês de setembro. Para receber o valor que é o  resultado da divisão dos recursos do FUNDEB-70 entre os que legalmente estão aptos a alcançar,  que acumulou, o profissional deverá apresentar os Certificados de participação nas capacitações oferecidas pela secretaria municipal de educação.

                                                Por Deodato Gomes

segunda-feira, 20 de setembro de 2021

Estudante clique na imagem para acessar o link e imprimir seu Comprovante Definitivo de Inscrição-CDI do SASI.


Avisamos a todos os estudantes que vão fazer o SASI, para acessar o link a seguir     CLIQUE AQUI PARA ACESSAR SEU CDI e com o CPF baixar o Comprovante Definitivo de Inscrição - CDI. É muito importante que você faça isto para que possa confirir atentamente os dados informados no comprovante com os dados contidos no edital.

Qualquer discordância, entrar em contato com a copese/ufvjm em até 9 dias antes da data da prova, através do telefone

(38) 3532-1277 ou via email copese@ufvjm.edu.br.

- Compareça ao local de realização das provas pelo menos 30 (trinta) minutos antes do horário marcado para o seu início, munido deste COMPROVANTE DEFINITIVO DE INSCRIÇÃO - CDI e do DOCUMENTO DE IDENTIDADE.

- Além dos documentos, traga apenas caneta esferográfica preta ou azul, lápis nº 2 e borracha comum.

- Não será permitido ingressar nos locais de provas com qualquer outro impresso.

- A UFVJM não se responsabiliza pela perda ou extravio de objetos.

- O uso de máscaras será obrigatório durante todo o tempo de prova.

- Em hipótese alguma será permitido o uso de celulares, calculadoras, esquadros, réguas ou instrumentos similares.

domingo, 12 de setembro de 2021

Viva os GESTORES DO AMANHÃ!... Os maestros dessa grande orquestra educacional!...



                     Clique na foto acima para acessar todo o álbum!

Olá queridos Gestores do amanhã!

Vocês são os maestros dessa grande orquestra educacional!...

Que os avanços conquistados neste 2021 possam trazer mais inspiração,  entusiasmo e motivação para o trabalho de todos vocês!

Quantas conquistas neste 2021 nossa Educação já entregou à comunidade. Em um ano marcado por diferentes desafios e ainda estarmos vivendo um novo cenário na área da educação em razão da pandemia da Covid-19, as escolas da rede pública municipal de ensino de Carlos Chagas desenvolvem diversas e criativas iniciativas,  para garantir o direito de aprender de todos os nossos estudantes. 

E pensar que vocês tem papel fundamental em todas essas inovações que tem acontecido em nossa rede. Mesmo vivendo uma realidade distinta, o ano de 2021 veio trazendo e garantindo várias momentos agradáveis e excelentes surpresas para a comunidade escolar. A oferta de um ensino remoto que consegue  atender às necessidades dos alunos,  com o convênio com a Google e a informatização dos quase 2 mil alunos constitui um salto histórico na nossa educação, você não acha? A compra dos notebooks então é um avanço incomensurável e se soma a todas as capacitações que estamos vivenciando. Vamos avançar  todos juntos  com os estudantes, professores e famílias. Todos  se encontram sob a sua  batuta nas  escolas, e vocês tem o desafio de não deixar ninguém para traz.  Dialoguem, convençam e trabalhem e muitos frutos serão colhidos. 

A rede colherá resultados positivos desse trabalho árduo e eficiente. Todas as boas notícias e mudanças  foram possíveis, entre outras coisas, graças à liderança dos gestores escolares, batizados de Gestores do amanhã.

E para celebrar o “Dia do Diretor Escolar”, comemorado nesta sexta-feira (10/09/2021) nos encontramos em um momentos simples mas bem especial. 

Celebrar este momento com eles que são os maestros e as maestrinas dessa grande orquestra da educação que acontece diretamente na Escola. Com as suas batutas eles sabem harmonizar todos os segmentos e colocar todos no caminho do mesmo objetivo, garantir eficácia na aprendizagem dos nossos estudantes.  Lembramos que se trabalha no silêncio para deixar o sucesso fazer barulho.

Parabéns para eles! Peças imprescindíveis no fazer educacional em nossa cidade!

Vocês são os Gestores do amanhã!

Deodato Gomes Costa

Carlos Chagas - MG 10 de Setembro de 2021

terça-feira, 7 de setembro de 2021

A INDEPENDÊNCIA DO BRASIL.

 

A Independência do Brasil

O tema da independência do Brasil permeia o nosso cotidiano. Quem nunca presenciou a comemoração do 7 de setembro? Ano após ano esse dia é sempre lembrado devido a sua importância para a história do nosso país. No meio de tantas comemorações e representações, às vezes nos esquecemos de questionar como se deu o processo de construção de um corpo político autônomo, independente de Portugal.

É importante pensar que a independência do Brasil, assim como todos os marcos históricos, são longos processos de transformação. Logo é difícil determinar exatamente quando se iniciou. Pode-se dizer que desde os fins do século XVIII que o Brasil, na condição de colônia de Portugal, foi sendo alterado paulatinamente.

Pedro Américo. Independência ou Morte, 1886-88. Museu Paulista, São Paulo

As transformações anteriores à Independência

No Brasil surgiu, durante esse período, uma camada letrada influenciada pelos escritos do abade Raynal (1713-1793) que criticava abertamente o sistema colonial português e defendia mudanças econômicas e políticas. Essa visão sensibilizava os luso-brasileiros que passaram a discutir qual a posição do Brasil dentro do império português. Dois grandes letrados com participação política foram destaque nessa empreitada: José Bonifácio e José da Silva Lisboa que condenavam os efeitos negativos do exclusivismo colonial. Assim, no começo do século XIX, já se via o Brasil como uma colônia emancipada e ligada à metrópole, tanto é que a colônia passou a chamar-se Reino Unido a Portugal e Algarves, em 1815.

Essas idéias criaram um descontentamento quanto ao mando metropolitano que culminaram nas inconfidências mineira, fluminense e baiana entre 1789 e 1798. Esses movimentos apesar de serem particulares tinham uma semelhança: reclamavam a autonomia local e questionavam os vínculos com Portugal. Essas revoltas criaram um temor para o governo português que corria o risco de perder parte ou a colônia inteira.

A transferência da corte (1808)

Na questão externa, Portugal sempre se portou de forma neutra. França e Inglaterra disputavam a hegemonia européia o que gerou uma luta pela supremacia do comércio. Com a invasão Napoleônica em 1807, Portugal se aliou a Inglaterra e, portanto, permanecer na Europa significava ser dominado pelas tropas napoleônicas. Foi assim então, que em 1808, Portugal transferiu a sua corte para o Brasil, pois só assim poderia salvar o seu império. Ao contrário da visão que foi reproduzida de um D. João VI frouxo, muitos jornais europeus e brasileiros da época elogiaram o monarca pelo seu “golpe de mestre”. Napoleão mesmo apontou D João como “o único que o tapeara em todos os tempos”.

transferência da corte significou uma mudança nas relações entre colônia e metrópole. O Rio de Janeiro ganhara o status de corte, pois todo o aparato burocrático estava agora ali. Todas as decisões políticas e burocráticas e a sede do poder monárquico passavam agora a serem gerenciadas no Rio de Janeiro.

Em 1810, foram assinados os Tratados de Aliança e Amizade de Comércio de Navegação em prol das elites brasileiras que desejavam importar manufaturados pagando baixos impostos. Os tratados garantiam uma taxação privilegiada para os produtos britânicos. A taxa era de 15% sobre os produtos britânicos, 16% para mercadorias portuguesas e 24% sobre os produtos das demais nações.

Mas não foi só isso, a presença da corte no Brasil transformou as relações sociais que ali existiam. A diversidade da população era muito maior, e os brasileiros tiveram que se acostumar com uma série de mesuras, palavras e etiquetas próprias de uma corte. Ou seja, o Rio de Janeiro se adaptou a uma nova cultura.

Francisco Bortolozzi. Embarque da família real portuguesa para o Brasil, 1808. Museu Histórico Naciona, Rio de Janeiro.

A Revolução Pernambucana (1817)

O maior movimento de contestação durante a permanência da corte portuguesa no Brasil foi chamada Revolução Pernambucana. Em 6 de março de 1817 os revolucionários, com a ajuda dos Estados Unidos e Inglaterra, tomaram Recife e organizaram um governo republicano. Durou pouco mais de dois meses. A dificuldade de acordo entre os líderes do movimento junto à dificuldade em combater os ataques do governo do Rio de Janeiro, levou ao fim a então república. Os principais líderes (Domingos José Martins, João Ribeiro e Miguel Joaquim de Almeida Castro) foram presos e condenados à morte.

A Revolução Liberal do Porto (1821)

Com o falecimento de D. Maria I, o então sucessor do reino seria D. João VI. Apesar de Napoleão já ter sido derrotado, D. João VI optou por governar o império português do Brasil. Essa decisão causou descontentamento por parte de grupos sociais e econômicos portugueses que consideravam que o Reino estava sendo regido pela Colônia, e não vice-versa.

Assim em 1820, a insatisfação culminou na chamada Revolução do Porto, na qual os rebeldes exigiam a volta do rei ao Reino de Portugal e a instalação de uma Assembléia Constituinte, a partir das convocações das Cortes portuguesas. Isso configuraria o fim do absolutismo em Portugal.

Além disso, os rebeldes queriam a volta do Brasil à condição de Colônia, perdendo a sua autonomia. É claro que os proprietários brasileiros não aceitariam serem excluídos da administração e pagar impostos para a manutenção do Estado.

Assim, procurando conciliar os interesses, D. João VI concordou em voltar a Portugal, deixando D Pedro, seu filho mais velho, como regente do Brasil.

Anônimo. D. João VI, 1816. Museu Histórico Nacional, Rio de Janeiro.

A independência (1822)

A volta da família real para Portugal e as diversas decisões desta, em vista de retomar a relação base entre Reino e Colônia, desagradou à elite brasileira, aos grandes proprietários e àqueles ligados a atividades urbanas.

Os diferentes setores da sociedade se reuniram ignorando, a princípio, as suas diferenças para firmar um novo contrato social e político: a fundação de um Estado independente. D. Pedro aparecia como a única figura que seria capaz de unificar o país e manter as relações de amizade com Portugal. Então em janeiro de 1822, as províncias brasileiras e a imprensa pediram a permanência de D. Pedro que estava sendo chamado a voltar para Portugal.

Somente depois de ter certeza de sua aceitação pelo povo brasileiro é que em 7 de setembro, D. Pedro proclamou a famosa frase: Independência ou Morte. Esse mote foi um impulso para a multiplicação de hinos, representações e sentimento de amor à pátria. Porém, nesse momento ainda não se tinha com precisão a data da independência. Em junho havia tido a convocação da Assembléia Constituinte para o Reino do Brasil, em outubro se deu a aclamação de D. Pedro I no Rio de Janeiro e somente em dezembro é que ele foi oficialmente coroado. Assim, a firmação do 7 de setembro como data oficial da Independência foi mais uma conveniência simbólica do processo todo.

FONTE: Escola Digital

terça-feira, 31 de agosto de 2021

Nossa tristeza é de colega que tem esperança e que acredita que a Professora Emília já se encontra na intensidade da luz de Deus!

 


Esta circunstância que retirou Emília de nosso convívio, enche nos de dor e abala todo o nosso sentimento. Que nossa tristeza não seja a de alguém que não tem esperança.



A educação está de luto. O céu se alegra por receber Emília Franco, professora que muito colaborou com Deus na construção de pessoas. Uma educadora que fez história na Educação da nossa cidade. Muitos jovens que brilham hoje passaram pelas palavras edificadoras dessa professora que só distribuiu bondade em seu ensino. Sempre fez da Educação um ato de amor e de coragem.  Quem conviveu com Emília sabe do grande ser humano que era e da grande professora que sempre foi.



Dor e tristeza neste momento despedida de nossa amiga Emília que faz sua passagem para o céu. Vai Emília ser plenamente feliz junto do Pai que já te acolheu na intensidade da sua luz para um paraíso de imensa felicidade.



Em João 11,25, Jesus disse que Ele é a Ressurreição e a Vida. Esta é nossa maior esperança, é o fundamento da nossa Fé.  Jesus nos dá a certeza de que você já está na casa do Pai.

domingo, 29 de agosto de 2021

EXISTE UM SILÊNCIO REDENTOR QUE VOCÊ NÃO VIVE!...

 


"A mais bela viagem que podemos fazer aqui na terra é aquela que se faz de um ao outro"

"Quem quer aquecer o mundo deve trazer dentro de si uma grande fornalha."

Silêncio Redentor


O ser humano não gosta de solidão e luta toda a vida para libertar-se dessa sombra incômoda, desconfortável.

Milhões de pessoas se encharcam de barulho, televisão  e internet... para fugir da solidão.

Conectados com o mundo e os acontecimentos, sentimo-nos menos solitários e desamparados. Mais seguros e imbatíveis. Ilusoriamente.

Há uma solidão terapêutica benfeitora: a que nos faz mergulhar para dentro de nós mesmos, ao núcleo central de nossa identidade.

Enquanto muitos cidadãos fogem desse encontro frontal com seu eu profundo, os sábios na arte de viver amam o silêncio orante, redentor.

Diga-me quais os silêncios que você curte e as solidões que você cultiva. E eu saberei se você navega planícies ou escala montanhas...como santos, os maiores artistas na valorização do seu tempo-vida, a caminho da eternidade.

                        Pe. Roque Schbeider

MÃE VAI ATÉ "BOCA DE FUMO" E FICA DE JOELHOS IMPLORANDO PARA O FILHO VO...

Aí foram eles, os Enccejeiros, em busca da sua escolaridade perdida!... Boa Sorte!..

 


Clique na imagem para acessar o álbum completo.

Foram fazer o ENCCEJA neste domingo(29-08-2021) por volta de 40  jovens e adultos que não concluíram o Ensino Fundamental ou Ensino Médio na idade adequada e que por algum motivo abandonaram a Escola.  Esta prova foi realizada pela primeira vez em 2002 e se tornou  um momento de excelente oportunidade.  Com o Exame Nacional para Certificação de Competência de Jovens e Adultos (ENCCEJA) quem faz a prova tem a oportunidade de conquistar a conclusão da sua Educação Básica.

A Prefeitura e a Secretaria deu todo  o suporte aos mesmos,  desde o momento da inscrição até o transporte para se deslocar até Nanuque, cidade onde se realiza a Prova. Na impressão dos cartões de inscrição receberam todas informações indicando o local de prova e procedimentos a serem adotados.   

O dia para eles é bem atípico e intenso pois precisam dar conta de 4 provas, que acontecem na parte da manhã e da tarte deste domingo,  cada uma com 30 questões, além da proposta de redação. Os ônibus disponibilizados pela Prefeitura, dirigidos pelos motoristas, Paulo e Carlinhos deixam os enccejeiros na porta do local de prova e esperam até a noitinha para o retorno.

As provas cobram capacidade de ler e interpretar,  de análise e cálculo e são adequadas para este público que já está  no mercado de trabalho e precisa da conclusão da escolaridade para avançar na vida. A prova de redação é feita sempre com temas relacionados ao dia a dia e faz dobradinha com a de Língua Portuguesa, precisa conseguir a média nas duas ao mesmo tempo.

Lembrando que tem o benefício da Certificação Parcial, aquele que não conseguir êxito em todas as provas.

Inscrevemos mais de 100 mas apenas 40 embarcaram para fazer a fazer a prova.

Então é isso. Boa Sorte para todos eles e elas!

Esta Certificação faz muita diferença na vida desses jovens e adultos pois abrem muitas portas em sua vida! Prá cidade é também bom, pois é mais gente qualificada e testada. 

 Ficamos aqui torcendo para todos eles e elas.

Deodato Gomes Costa

sábado, 28 de agosto de 2021

O que é o e-mail institucional do aluno?

Supervisor Escolar: uma merecida homenagem!...

 


Foi assim a nossa homenagem! Delicada e vibrante!...

Que satisfação é participar de momentos assim!... Homenagear pessoas que fazem a educação acontecer. Pessoas que dedicam suas vidas à construção de outras pessoas!...Atores indispensáveis no processo ensino-aprendizagem!.. Está entregue às mãos dessas profissionais a parte vital das Escolas, a sublimidade da alma de uma instituição de ensino, a sua dimensão pedagógica.
O Supervisor Pedagógico em uma Escola é o amálgma que une e articula todos os segmentos educacionais: estudantes, professores, gestor e pais. O envolvimento é total. Alguém assim só poderia ser mesmo o Supervisor.
´É grande o nosso apreço pelo trabalho desses profissionais.
Pelo seu comprometimento, e pela relevância de todas as suas ações!...
A Prefeitura Municipal e a Secretaria de Educação parabeniza todas vocês!
Estamos sempre juntos nesta caminhada de Sonhos!... Vocês conosco na Secretaria e a gente com vocês no dia a dia de todas as Escolas
Super momentos felizes para todas vocês!...
Super alegrias, super emoções, super... super tudo de bom!...
Vivam Elas, as nossas Supervisoras!...
Como é bom trabalhar com esta equipe primordial!!!
Clique na foto para ver todas as imagens deste momento bacana demais!
Por Deodato Gomes Costa

sexta-feira, 27 de agosto de 2021

Carlos Chagas avança para onda verde do Minas Consciente

O município de Carlos Chagas, assim como a região do Nordeste, foram autorizadas a avançar para a onda verde do Programa Minas Consciente. Essa é a fase mais flexível do plano criado pelo Governo de MG para a retomada de atividades durante a pandemia, sendo permitido o retorno do funcionamento em tempo integral de bares e restaurantes, por exemplo, desde que seguindo os protocolos estabelecidos pela saúde.

Diante desse cenário, atualmente não há nenhuma restrição para o funcionamento do comércio, se não as orientações já apresentadas pelos órgãos de saúde, como o uso de máscara, higienização das mãos e a não aglomeração.

SOBRE O NOVO AVANÇO

As macrorregiões Triângulo do Norte e Nordeste progrediram para a onda verde do plano Minas Consciente, como anunciado pelo Comitê Extraordinário Covid-19 nesta quinta-feira (26/8). As duas localidades estavam na onda amarela, que agora inclui apenas o Triângulo do Sul.

A onda verde conta, ainda, com as macrorregiões Leste, Centro, Centro-Sul, Oeste, Sul, Sudeste, Vale do Aço, Jequitinhonha, Norte e Noroeste, que se mantiveram com bons indicadores de controle da covid-19 na última semana.

“A situação de Minas voltou a ser homogênea, os dados são muito positivos e temos consistência na queda da doença”, ressalta o secretário de Estado de Saúde, o médico Fábio Baccheretti. As novas determinações do Minas Consciente passam a valer a partir deste sábado (28/8).

Avanços

A ocupação dos leitos em todas as localidades do estado tem caído. A média de redução é de 30%. Além disso, o número de óbitos também vem decrescendo. A tendência de queda se mantém, ainda, nos casos de pacientes internados por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) ou por covid-19.

Segundo Baccheretti, o cenário positivo foi impulsionado pelo avanço da vacinação. Aceleramos muito a distribuição de imunizantes. Estamos, praticamente de segunda a sábado, distribuindo vacinas. Todos os dias fazemos mais doses chegarem aos municípios”, destaca.

Vacinação

Até o momento, já foram aplicadas 18.062.900 doses de imunizantes contra a covid-19 em Minas Gerais. O estado alcançou recorde na média móvel de vacinação na última terça-feira (24/8), com 286.158 doses aplicadas diariamente.

A cobertura vacinal da primeira dose em adultos acima dos 18 anos chega a 76,48%. A da segunda está em 32,72%.

O secretário lembra que ainda há mais de 4 milhões de doses enviadas pelo Ministério da Saúde que devem ser aplicadas nos próximos dias. A maior parte delas já foi distribuída e está nos municípios ou nas Unidades Regionais de Saúde (URSs).

“Temos mais de 350 cidades que já relataram estar aplicando doses em pessoas com 18 anos. A tendência é que até o fim de agosto a gente tenha a maior parte do estado já vacinando esse grupo”, afirma.

Segunda dose

Com o avanço nos grupos vacinados, Fábio Baccheretti reforça que o próximo passo é garantir a segunda dose à população mineira, especialmente devido ao crescimento das amostras da variante Delta no estado.

Até o momento, já foram encontrados 94 casos da cepa mais infectante e, conforme o secretário, a tendência é de que ela se torne predominante.

Conforme o secretário, a incidência da Delta em Minas Gerais está maior nos municípios próximos ao Rio de Janeiro e ao Distrito Federal, e na macrorregião Central, onde há maior circulação de pessoas. Ele lembra que os cuidados contra a variante são os mesmos, e devem ser mantidos: uso de máscara, higiene das mãos e distanciamento social.

Fonte: Sou Carluxa