Bullying

CAMPANHA CONTRA O BULLYING

Mostrando postagens com marcador CINEMA. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador CINEMA. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 31 de outubro de 2019

Estudantes da Escola joão Beraldo vão ao Cine Teca e assistem a estréia de Málevola!


Clique na imagem para ver o álbum.

A sessão de cinema da última sexta feira (25) no Cine Teca, em Teófilo Otoni, foi especial para mais de 40 estudantes da Escola João Beraldo. O filme "Málevola" foi exibido para adolescentes e jovens da nossa Escola e alguns deles estavam no cinema pela primeira vez.
A ação faz parte do projeto "Cinema na Escola", que projeta filmes no nosso Cine na Escola, bem como leva também os estudantes para participarem de estreias numa sala de cinema tradicional. 
A sala escura ficou cheia dos olhos brilhantes dos nossos estudantes. Para alguns deles, a telona era a maior novidade. Entre os que nunca tinha entrado em uma sala de cinema pela primeira vez pudemos ver a surpresa quando na sala de exibição disse ter sido uma das “melhores viagens que fez”. "Foi bom ter vindo. É legal aqui, é confortável.”, disseram os estudantes. Eles foram acompanhados pelo Diretor Deodato e pela professora Ayume. 
Estamos aguardanto disponibilizar a venda para projetarmos para todos os estudantes da Escola.

Veja o trailer do filme que encantou os nossos alunos:

quarta-feira, 31 de julho de 2019

E aí gente, já assistiu ao novo Rei Leão?


E aí gente, já assistiu ao novo Rei Leão? 

   Os estudantes da Escola João Beraldo começaram a  assistir e o que a gente tem percebido é que este filme não saiu da memória afetiva dos nossos alunos, apesar do tempo que se passou desde a 1ª versão em 1994. É visível também o encanto provocado nos alunos. Impressionante como o filme atravessa com suas lições de vida o coração dos estudantes. Os alunos se identificam com Simba que foi traído e exilado de seu reino pelo próprio tio, o leãozinho precisa descobrir como crescer e retomar seu destino como herdeiro real nas planícies da savana africana.

       O filme  turbina a capacidade de dialogar com  temas bastante difíceis do nosso tempo como: morte, exibida com toda sensibilidade no assassinato de Mufasa;  ambição, através do comportamento maquiavélico de Scar irmão de Mufasa, nas atitudes para conquistar o poder do reino; a amizade, retratada com muito humor entre Pumba, Timão e Simba. Rei Leão trata destes assuntos tão complexos com muita suavidade e firmeza e por isso mesmo é que encanta. 
      Não é porque o assunto é difícil que a gente precisa deixar de falar sobre ele? Aliás, achamos que é o contrário... Quanto mais compartilhamos nossos medos e inseguranças, menores eles ficam, e o quanto mais partilhamos nossas amizades e alegrias mais elas se fortalecem. Vamos depois falar aqui da filosofia africana retratada no filme de forma bem leve chamada de Hakuna Matata.


domingo, 21 de julho de 2019

O visual do filme Rei Leão é encantador, os alunos não podem deixar de assistir.

Divulgação do filme em tela digital no Cine Teca em Teófilo Otoni

Desde que fiquei sabendo da estreia da nova versão do  Rei Leão, me preparei para ir assistí-la no Cine Teca em Teófilo Otoni. Faço isto porque gosto de cinema e também porque  conhecendo o filme posso estudar uma forma de viabilizar o mesmo junto aos nossos estudantes. É um lançamento que entra em circuito internacional com sessões praticamente ao mesmo tempo em todos os países do mundo e é muito bacana que os estudantes estejam conectados com crianças, adolescentes e adultos em torno deste filme  que está sendo projetado  em todo o mundo. É muito interessante se conectar com a cultura de massa que envolve os filmes da Disney, pois eles tem sempre um ensinamento relevante e educativo para repassar  de uma forma muito inteligente e atraente. Compramos o filme no mercado livre e vamos retornar das férias escolares assistindo. 

Clique na imagem abaixo e confira o cartaz com as informações no álbum.




 Me lembro que em 1994, por ocasião do lançamento do filme em  desenho que virou uma febre, os alunos da Escola  João Beraldo depois de assistirem fizeram atividades escolares relacionadas à temática do filme. Surgiram chicletes com  figurinha que apresentavam  cenas do filme  e que  depois de fixadas no caderno, pedíamos para os mesmos comentarem. O filme pode ser trabalhado em qualquer escola, em todos os níveis da educação básica, com possibilidades de muito sucesso, no desenvolvimento da leitura e da escrita além da construção e desenvolvimentos das habilidades socioemocionais. De primeira mão, você tem já de cara um dos itens mais importantes para  um trabalho pedagógico: a atenção dos estudantes, uma vez que já estão mobilizados para assistirem ao filme. 
Bilheteria no Cine Teca em Teófilo Otoni
Vários temas podem ser explorados didaticamente a partir do filme, o importante é que o professor deve utilizá-lo como instrumento pedagógico, assistindo antes e desenhando seu plano de aula, ao invés de passar o filme apenas como lazer. Muitos temas podem ser trabalhados  como por exemplo: a cadeia alimentar que envolve os animais, desmatamento, a filosofia de um dos personagens, o Pumba, a ambição e a inveja,  sentimentos tóxicos que destroem as relações humanas, amizade,  as queimadas, as relações familiares, o tempo (ciclo da vida), o conflito entre gerações (os adultos como responsáveis pelo planeta que vai deixar para as crianças e jovens) entre muitos outros. 
Filme deslumbrante e encantador de  crianças e adolescentes e  de gente adulta que não se emburreceu  e não perdeu a sensibilidade.


O filme é muito lindo e nos emociona, abrindo muitas outras possibilidade de trabalho didático com os alunos. Tendo os mesmos já a memória da 1ª versão fica tudo mais fácil, uma vez que a história é a mesma, mas agora com animação digital mais convincente e emocionante no remake, porque mais plausível. Os filmes da Disney são atraentes e verdadeiros sonhos. Vale a pena assistir. Quero muito oportunizar aos nossos alunos agora que não podem ir a Teófilo Otoni assistir e já compramos uma cópia no mercado livre. 
Vejam as coisas permitidas no Cinema para não fugir da etiqueta exigida para assisitir a um filme.

Quem for a Teófilo Otoni, vale a pena ir, no entanto a fila é grande para comprar o ingresso, que só é vendido para as sessões  no próprio dia a partir das 14:30 horas, mas quando se chega a fila já tá grande. O preço do ingresso é R$20,00 (vinte reais) a inteira e R$10,00 a meia, tendo que apresentar carteira de estudante e ou declaração da escola para garantir a meia entrada. As pessoas acima de 60 anos, com a identidade também pagam meia, desde que compre o ingresso com o documento. São três sessões: 16:00, 18:00 e 20 horas. 

A gente sai do cinema pensando como foi feito esta arte que tem esse grande poder de nos encantar, de tão real que nos parece. Os professores não podem deixar seus alunos fora da experiência de assistir esta versão que é muito mais forte e cheia de ensinamentos importantes.
                                           Por Deodato Gomes 

quarta-feira, 2 de maio de 2018

UMA VERDADE MAIS INCONVENIENTE ENTRA EM CARTAZ NO CINE JOÃO BERALDO. Depois do filme acontece a discussão. Se alguém da comunidade quiser assistir conosco é só agendar com a Direção da Escola.



O Projeto Cinema na Escola coloca em cartaz dois filmes. O primeiro, assistimos hoje, 02 de Maio de 2018, em atividade de formação continuada com todos os professores e se chama:  “Uma verdade mais inconveniente”. O filme é um documentário do ativista e senador americano, Al Gore que trata  do problema das mudanças climáticas e a concentração de gases de efeito estufa na atmosfera com o consequente efeito do aquecimento global.


O tema foi abordado em seu primeiro documentário de 2006 “Uma verdade inconveniente”,  e retorna agora 10 anos depois neste novo  filme que recebeu um mais em seu nome, em relação ao documentário anterior, sendo batizado de “Uma verdade mais inconveniente”. No seu novo filme Gore continua sendo o arauto de uma catástrofe climática anunciada e em vias de acontecer que extinguirá a vida no Planeta Terra. No novo documentário, ele mostra que pouco mudou no mundo, desde o seu primeiro filme, com a mesma temática. 


   Em relação aos avanços necessários para conter as mudanças climáticas desde 2006 a coisa está é piorando, e o nível de poluição continua subindo a cada ano. Gore, mostra um pouco das alternativas existentes, apresentando cidades que estão no caminho da energia 100% sustentável nos Estados Unidos.
Se trouxermos para o âmbito religioso, o documentário apresenta uma idéia de que estão colocadas as condições para o fim, para o apocalipse da existência da humanidade no Planeta Terra. A Terra continuaria existindo mas sem a vida humana, que nela habita. Al Gore cita inclusive um trecho de Deuteronômio 30:19: “Pus diante de ti a vida e a morte, a bênção e a invocação do mal; e tens de escolher a vida para ficar vivo”, como que sugerindo que o homem tem feito o a escolha da morte quando insiste nesta economia capitalista do carbono.

Gore em seus  documentários faz uma reflexão para nos convencer o quanto as emissões de gases de efeito estufa (GEE) que concentram suas moléculas na atmosfera, cada vez mais em partes por milhão,  estão afetando  o planeta de tal forma,  a ponto de elevar as temperaturas da terra, promovendo o aquecimento do planeta.
Metano-CH4, Nitrogênio N2O, CO2- carbono

 Ele viaja o mundo todo e na Groelândia apresenta o derretimento de montes de gelo; em  Miami apresenta as inundações, a possibilidade da inundação das ilhas maldivas, as enchentes e secas no mundo todo, como consequências da concentração do dióxido de carbono na atmosfera terrestre.

Ele afirma que  tudo isso comprova o risco que a humanidade está correndo devido ao fato de vivermos  em uma sociedade em que o dinheiro é quem dita as regras. A crise do clima é moral e é também a crise da  democracia pela qual passamos.  Segundo ele o problema só piora porque o esforço feito na reunião de Paris foi tudo por água abaixo com a eleição de Trump que tirou os Estados Unidos do acordo que foi costurado com muita negociação e mediação do próprio Gore. Sobre a saída dos Estados Unidos do acordo de Paris e a eleição do Trump,  ele até lembra a fala de um boxeador quando disse que “todo mundo tem um plano, até levar um soco na cara”.
As novas gerações vão perguntar quando receber um planeta com poucas condições de vida: "O que vocês tem na cabeça? Os cientistas falando, a mãe natureza gritando e vocês nada fizeram  para conter a autodestruição da vida." Lembra Gore

Gore apresenta também soluções, mostra por exemplo  que a energia solar e a energia eólica se tornaram alternativas viáveis e eficientes aos combustíveis fósseis que tanto poluem, e que,   o que impede de ser implementadas é a falta de vontade política dos líderes mundiais. Inclusive o filme mostra uma visita que ele faz a uma  cidade do interior do Texas  em que o prefeito está implementando uma política de energia sustentável.

Após o filme houve um pequeno debate,  vários professores se manifestaram destacando pontos do filme,  acrescentando posições e ampliando a reflexão. Alguém lembrou a área rural do municipio de Carlos Chagas, que quando olhamos pelas fotos do satélite da internet mais parece um deserto. O Gore inclusive reforça a importância da vegetação no combate ao aquecimento global, uma vez que a planta precisa do CO2, dióxido de carbono, para realizar seu processo de fotossíntese. 
A fotografia da terra no espaço chama bastante a atenção e é  quando Gore enfatiza a necessidade de se estabelecer uma conexão profunda com o planeta, o nosso lar comum,  que dividimos com os 7,6 bilhões de humanos que vivem na terra. 
Peguei esta imagem do site da NASA. É visão fotográfica  real e detalhada da Terra de um satélite da NASA. Crédito de imagem: NASA. Fala a verdade gente. Não te emociona de ver sua casa no universo.


Por Deodato Gomes
Veja as fala de Al Gore no filme:

“Sempre começava os meus treinamentos com fotos do planeta. Quando vemos a Terra do espaço, estabelecemos uma conexão com o lar que compartilhamos.”  
                                                                                                                    
Este filme integra o nosso Projeto Cinema na Escola, conscientes de que "o cinema jamais será mero entrentenimento." Por este trabalho todos os alunos assistirão ao filme e depois serão estimulados a expressarem suas impressões. Se alguém da comunidade quiser assistir conosco, pode, é só agendar com a direção da escola. 


Estamos lutando para equipar a nossa sala de cinema com um ar condicionado. Temos tudo só falta este recurso para tornar nossa sala melhor ainda. Você pode nos ajudar.

Um roteiro de atividade escolar sobre o documentário foi preparado, e apresento aqui como sugestão para aplicação a estudantes depois de assistirem ao filme e debaterem acerca do mesmo. É apenas uma sugestão que inclusive pode ser melhorada. Acesse o roteiro pelo link a seguir:

https://drive.google.com/file/d/1IxJu4OH8GoS0TTrg5UrVkaQdabYX9S-e/view?usp=sharing


Assista ao trailer do filme



terça-feira, 11 de julho de 2017


Começaram as sessões de Cinema na Escola João Beraldo, apresentando o filme A Bela e a Fera.


Nossa sala é um sucesso e os alunos concentram assistindo ao filme A Bela e a Fera.



Selecione atividades com o filme no link abaixo:
https://photos.google.com/share/AF1QipOostcy3xcozBrEuCOY2P9Kx7o5ym8UPnHQBmEru5eXGyrwKbLBFI0d8Gm55D_kNA?key=Y0lIQWg3dWg3VUFXclBwUk92cmMyNXg2b0FYQjJn


Trabalho montado com o Filme a Bela e a Fera.


domingo, 2 de julho de 2017

CINEMA NA ESCOLA VAI EXIBIR A NOVA VERSÃO LIVE ACTION DO FILME DA DISNEY A BELA E A FERA , NA SUA SALA DE CINEMA - Cine JB. - Todos os alunos assistirão a este imperdível filme.


A Escola João Beraldo possui uma sala exclusiva para filmes, com cadeiras de braços. 


Este filme,  agora em live action – (produzido com atores e cenas reais), foi lançado em março e ficou em cartaz nos cinemas do Brasil até meados de junho.



O filme é simplesmente lindo e recomendo para todos os estudantes. Tem uma grande dose de magia e encantamentos, e nos emociona do início ao fim,   além de lindas canções, sem falar na grande lição e ensinamento que o mesmo passa.




Fui assisti em Teófilo Otoni, quando foi lançado, afim de montar um trabalho para nossa escola. É deslumbrante. Vejam uma pequena amostra do filme.



O filme apresenta uma discussão interessante sobre a nossa sociedade que olha em primeiro lugar as aparências para reconhecer o outro. Muitos identificarão com Bela que é uma menina inteligente, que adora ler. Esta cena é exemplar.


 A frase do pequeno príncipe é pertinente e continua valendo, neste filme: O essencial é invisível aos olhos, só se vê bem com os olhos do coração”.

As canções são lindas e emocionantes. Veja esta letra:

Ouça a canção






Assisti primeiro a animação, depois assisti a live action e depois preparei esta atividade  abaixo, que pode ser ainda muito melhorada. Está aberta a sua sugestão.




Encontrei o material abaixo na internet, que dá para trabalhar com os alunos.

https://goo.gl/photos/WyV1MRN38tEX3FGu6

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Cinema e Direitos Humanos: Projeto “Democratizando” chega em Carlos Chagas e a Escola João Beraldo é um dos pontos de exibição em 2015

           

              A 9ª Mostra Cinema e Direitos Humanos no Hemisfério Sul chega em Carlos Chagas  e a  Escola João Beraldo é um dos pontos de exibição.  Recebemos nesta 3ª  feira dia 06-01-2015 os seis filmes da mostra, são eles:  “A Vizinhança do Tigre”, de Affonso Uchoa; “Cabra Marcado pra Morrer”, de Eduardo Coutinho, “Pelas Janelas”, de Carol Perdigão, Guilherme Farkas, Sofia Maldonado e Will Domingos; “Que Bom te Ver Viva”, de Lúcia Murat; “Rio Cigano”, de Júlia Zakia; e “Sophia”, de Kennel Rógis. As produções poderão ser assistidos por pessoas deficientes pois tem garantida a acessibilidade, o filmes tem opção de áudio descrição, pra deficiente visual e closed caption para deficientes auditivos, além de legenda em todos os idiomas.  Vamos garantir o espaço físico e os equipamentos para a exibição das mostras. Depois vai rolar  um debate. Ganha relevância esta iniciativa, nestes tempos de pouco ou nenhum acesso à cultura, precisamos formar pessoas através do ato de assistir e comentar os filmes. De acordo com a  explicação do Projeto Democratizando, estes filmes constituem uma “cinematografia  de enfrentamento, cuja dimensão estética e política, forma e conteúdo, escapam à massificação das salas de cinema comerciais do país. Não se trata de ignorar a forte presença do cinema e da televisão na formação cultural, política e no imaginário de todo o povo brasileiro, mas reconhecer a presença significativa de outras forma de ver, estar e sentir o mundo, no campo da representação. Os Direitos Humanos pela via do cinema, trata também deste aspecto". Estamos  muito felizes por nossa Escola ser um dos ponto de exibição e integrar um trabalho de tão grande importância e relevância. e relevância. Vamos aguardar a participação de todos. O que você acha deste evento? Deixe um comentário na caixa abaixo.
                                                                                                 Aguardem a agenda das exibições.  Até lá!
                                                                                                                           Deodato Gomes Costa

sexta-feira, 19 de julho de 2013

ESCOLA INAUGURA SALA DE CINEMA COM O FILME PINÓQUIO PARA OS 6ºs ANOS!

Montamos uma  SALA DE CINEMA  onde ocorrerão  projeções de filmes com o objetivo de desenvolver a aprendizagem.  Estreamos a sala com a projeção do Filme PINÓQUIO, uma produção italiana de 2008,  para os 6º ano A, B, e C com roteiro de atividade e plano de aula elaborado pela professora Terezinha Barreiros de Língua Portuguesa.



     O Filme conta a História de um boneco de madeira que deseja se tornar gente. Numa noite, uma fada dá vida a Pinóquio, começando então uma aventura que vai testar a coragem, a lealdade e a honestidade do boneco, virtudes que ele tem que aprender para se tornar um menino de verdade. São três horas e 08 minutos de projeção com muita emoção, onde os alunos ficaram completamente envolvidos com a belíssima história do filme. Depois do filme a Professora Terezinha conduziu  a discussão que percebeu se o grande envolvimento de todos os alunos.