OBRAS DO SASI

OBRAS DO SASI
SASI

Natal

Natal
natal

ESCOLA INTERATIVA

ESCOLA INTERATIVA
ESCOLA INTERATIVA

APRENDIZAGEM

APRENDIZAGEM
APOIO

AVALIAÇÃO

AVALIAÇÃO
AVALIAÇÃO

DIÁRIO DIGITAL

DIÁRIO DIGITAL
DIÁRIO DIGITAL

ENEM

ENEM
ENEM

Inscrição

Inscrição
INSCRIÇÃO

CAMPANHA CONTRA O BULLYING

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Das Canárias? Autora: Jane Esquerdo - Prof. de Língua Portuguesa

Caibro de "canarins", pardais,
                        Bem-te-vis...
Cabem ainda, cotovias e cardeais
Mas de manhãnzinha, eram só dois
cantando etridentes notas,
pulando no muro da escola...
Entre um trinar e outro -
aquelas belezinhas!
Um, uma ternurinha, canoro
pardalzinho; o outro - desprendia melodias por sobre o janelão ao céu...
E o padre, conhecedor dessas notas
e, amigos dos passarinhos
olha e não hesita: ´
"É uma canarinha, deve ter fugido...
Mas bem sabe de sua gaiola... lá, deve voltar,
o seu dono sempre a deixa,
sábe do vôo... é assim esses canarinhos
pardais, bem-te-vis, sempre vêm
por aqui.
Das canarinhas? Nas asas do século trinaram
voos  - Ilhas das Canárias, Madeira, Açores até, a Itália, domesticados...
        é assim, esses canarinhos, colibris,
pardais, bem-te-vis, sempre vêm aqui... e quantos outros trinares cochilam nos ninhos dos arbustos desta escola. Escondidinhos ovinhos no alvoroço dos aprendizes.
Trin... pisss...trins... piss ... piss... piss... ...
tributo talvez a Caruzo de Nápoles, a Pavarotti ou a Bocelli, quem sabe?
Canários trinaram e trinam tenores...
É assim... Enquanto os alunos não vorem lá ... nos ninhos...
Os ninhos, guardam em si segredos ... segredos e mistérios...
           Canarinhos, pardais e bem-te-vis, meus amigos. Pois quando me veem tristonha... são solidários comigo, me fazem feliz cantando.
Jane Esquedo Coutinho- Professora de Língua Portuguesa - 12 de Fevereiro de 2010- Poema construído observando os passarinhos que pousam sobre o Jardim da Escola João Beraldo e construindo seus ninhos. algumas crianças e adolescentes protegem-nos, outros os violentam e destroem seu aconchego sagrado. Que Pena!