CAMPANHA CONTRA O BULLYING

sexta-feira, 28 de junho de 2019

Esta CENA me amendronta? Para onde caminhamos?



Esta imagem efetivamente mexe com você? Ou será que fomos anestesiados pela massificação, que retirou a nossa capacidade de sensibilizar? Será que o mal tornou-se assim tão banal como disse Hannah Arendt a ponto de cenas como esta não mais nos incomodar? 
“A educação é o ponto em que decidimos se amamos o mundo o bastante para assumirmos a responsabilidade por ele." 
                                                                              Hannah Arendt
Saber que pai e filha estavam ali a uma margem de rio dos Estados Unidos, lugar que representava a terra que lhe garantiria a vida. Faltava tão pouco para chegar lá, depois de árdua e longa caminhada se depararam com a tragédia de uma morte tão contraditória. A gente não consegue compreender. É absurda demais esta CENA. Oscar Martinez Ramirez e filha: mortos na etapa final de sua jornada, quando os EUA estavam ali tão perto. À menininha dentro da camisa do pai, parece que  recebeu esta proteção para a morrer. Isto não é fatalidade. Isto é resultado da geopolítica mundial, fator de uma grande desigualdade social e econômica no mundo que cria agrava o abismo entre pobres e ricos. A insuperável divisão promovida pela geopolítica excludente, necessita além de tudo se materializar em muros intransponíveis. É repulsante e impossível olhar esta cena e não aflorar em nós uma sensibilidade humana capaz de nos deixar angustiados e incomodados com tamanha injustiça. É útopico acordar nossa lucidez para encontrar e combater as causas de tanta estupidez humana, a partir mesmo de onde vivemos.

Nenhum comentário: