CAMPANHA CONTRA O BULLYING

sábado, 23 de novembro de 2019

Fake News são Penas ao vento.


Fiquei conhecendo a "Parábola das  Penas ao Vento" em uma reunião pedagógica da Escola em que se discutia relacionamento interpessoal.
Refletindo atualmente sobre a mesma parábola vejo que ela tem tudo haver com a realidade das famosas fake News dos dias de hoje. Afinal temos até uma CPMI das Fakes News, que vem discutindo até mesmo se autoriza ou não a anonimidade nas redes sociais. Certo é que elas causam estragos na vida das pessoas, destroem  reputações e expôe pessoas à situações muito dificeis. Imagine lançar ao vento as penas de um travesseiro do mais alto de uma  montanha. Elas seriam espalhadas de tal forma pelo vento que se tornaria quase que impossível recolhê-las novamente. A situação desenhada pela parábola não tem diferença da situação criada por  uma Fake News, que depois de publicada viraliza e perde se o controle da mesma. O ano que vem é de Eleições Municipais, tomara que este não seja um instrumento de campanha para difamar as pessoas  da nossa cidade e que não se utilizem deste instituto para se fazer campanha. Elas são como as penas do travesseiro da tal parábola que se espalham e nunca mais podem ser recolhidas de volta porque viram febre nas redes sociais se propagando como verdadeiras pragas.  Nas Fake News as pessoas não sabem se é verdade ou mentira, nem se importam de saber, acham aquela criação interessante e terminam por passar adiante. Quem produz uma Fake faz isso com uma intenção. A Parábola das Penas trata de  “fofoca,”  o que chamamos de Fake News. Mas existe uma diferença de fofoca e Fake News, nestas tem uma maldade explicita, deliberada que é de destruir a reputação de uma pessoa.  No entanto elas são repassadas por alguém porque  estão tão de acordo com as  intenções de quem recebeu, que nem se dá ao trabalho de refletir sobre seu conteúdo bem como sobre suas consequências. Os grupos de Whatsaap que participamos estão repletas destas "fofocas virtuais" nem um pouco inocentes. Onde está a alegria em repassar desinformações que não deveria sobre alguém?  Que gosto tem em veicular informações repletas de distorções e de mentiras sobre pessoas, ou instituições? 

Parábola das Penas ao Vento

 A Parábola das Penas ao Vento ilustra muito bem esta realidade que vivenciamos hoje de completo desrespeito à pessoa humana e deixa para todos nós uma pergunta importante:   Como podemos vencer na gente o intuito, o desejo ou o ímpeto de repassar informações falsas que chegam em nossos celulares?

Eis a Parábola...

Conta-se que, num tempo e lugar distantes, um jovem levantou falso testemunho, inventando uma história repleta de meias verdades sobre uma pessoa inocente. A fofoca se espalhou rapidamente e começou a prejudicar a vítima.
 Ocorre que ao ver os danos causados, o jovem se arrependeu e procurou um velho sábio para conversar e pedir orientação.
 O sábio o atendeu calmamente, ouvindo cada uma de suas palavras. Ao final disse:
Você está realmente arrependido deste ato?
 O jovem rapidamente respondeu que sim e que inclusive já havia pedido perdão à pessoa que injustamente havia acusado.
Então o velho sábio respondeu:
Já que é assim, peço que você faça o seguinte:
Pegue um travesseiro de penas, suba no cume de uma montanha e solte as penas ao vento.
O jovem ficou admirado e questionou:
Só isso?
O sábio disse que sim, mas pediu para que o jovem voltasse a vê-lo novamente.
No dia seguinte o jovem voltou muito satisfeito. Então o sacerdote disse:
Agora você está preparado para cumprir a outra parte: Volte à planície e recolha todas as penas novamente no travesseiro e venha me mostrar.
O jovem olhou sem entender e disse:
Mas isso é impossível!
Então o velho sábio lhe explicou:
Justamente. Da mesma forma é impossível reparar a fofoca, a mentira, falso testemunho. Apenas porque a misericórdia de Deus é infinita, você poderá receber o perdão. Mas o mal que você provocou ficará pairando sempre, como penas ao vento. Pense bem antes de falar novamente algo contra alguém!
                          Por Deodato Gomes

Nenhum comentário: